Nova emissão depende das condições do mercado, afirma Palocci

O ministro da Fazenda do Brasil, Antônio Palocci, não descartou uma nova emissão de títulos antes do fim do ano, porém, ressaltou que "se trata de uma questão estratégica". "Avaliamos o mercado e as condições melhores para fazer a emissão ou não", afirmou. Segundo ele, o programa de emissão elaborado pelo ministério é de 14 meses, e nesse período são feitas avaliações de acordo com o mercado. Bem humorado e sorridente, Palocci comentou: "Ontem foi bom, não é?", referindo-se à emissão soberana de US$ 1,5 bilhão em bônus de sete anos que o governo brasileiro realizou ontem. A operação resultou da melhora da percepção do Brasil no mercado externo verificada nas últimas semanas com a queda do risco país ? taxa que mede a confiança dos investidores estrangeiros na capacidade de pagamento da dívida do Brasil.Aproveitando o momento favorável de liquidez internacional, o Banco Central emitiu US$ 1,5 bilhão, na quinta e maior investida do governo brasileiro no mercado internacional de capitais este ano. O dinheiro ingressará no País na próxima quarta-feira, reforçando as reservas internacionais (veja mais informações sobre o assunto nos links abaixo). Acordo com FMIO ministro da Fazenda anunciou que o acordo com o FMI ainda não está definido e nem o valor do empréstimo, caso seja definido um novo acordo, durante a visita da missão do Fundo ao Brasil, nas próximas semanas, para a última revisão do atual empréstimo de US$ 30 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.