Nova estrutura do Citigroup prevê divisão por regiões

O americano Citigroup confirmou que planeja reorganizar sua estrutura em linhas geográficas, e não por produtos, enquanto o recém-empossado presidente executivo Vikram Pandit segue imprimindo sua marca na companhia. Em alguns círculos, porém, há ceticismo sobre os benefícios da reorganização para o pesado gigante de serviços financeiros. A instituição comunicou que a medida lhe possibilitará concentrar recursos "na direção do crescimento dos mercados emergentes e desenvolvidos e aumentar as eficiências através da companhia". Segundo Pandit, a mudança faz parte do esforço "de fazer do Citi uma organização mais eficiente, mais leve e mais simples".O novo alinhamento geográfico fortalecerá os diretores regionais, que se reportarão a Pandit. Manuel Medina Mora continuará a comandar o Citigroup no México e na América Latina. A região da Ásia-Pacífico, incluindo o Japão, será liderada por Ajay Banga, que atualmente supervisiona as operações de Consumer Business fora dos EUA. William Mills ficará com a Europa Ocidental, o Oriente Médio e a África, enquanto Shirish Apte será responsável pelas Europas do Leste e Central.O Citi também confirmou a contratação de Teresa A. "Terri" Dial, que hoje comanda as operações de banco de varejo do Lloyds TSB no Reino Unido, para ser a presidente global da área de Estratégias para o Consumidor. Sua atribuição básica será revitalizar as combalidas operações de banco de varejo e de crédito ao consumidor do Citigroup nos EUA. Décima mudançaOs analistas do Deutsche Bank minimizaram a importância da reorganização, lembrando que esta é a décima mudança estrutural no Citigroup desde 2002. "Ainda esperamos que cerca de 15% a 20% do balanço patrimonial do Citi sejam reduzidos via encolhimento, descontinuação de operações, vendas de ativos e/ou vendas de empresas menores", escreveram os analistas. Eles também previram que o Citi registre US$ 18 bilhões em baixas contábeis no primeiro trimestre, valor próximo ao total do quarto trimestre de 2007. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.