finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Nova regra de acordo com FMI beneficiará setor de transporte

Os investimentos em transportes serão os mais beneficiados com o acerto entre o Brasil e o Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciado esta semana em Washington. Ontem, foi aprovado um novo mecanismo, pelo qual o País poderá investir até US$ 1 bilhão por ano, de 2005 a 2007, sem que as despesas correspondentes a esses projetos contribuam para reduzir o saldo positivo das contas públicas. Ou seja, o novo mecanismo proporciona uma folga orçamentária para o governo federal, permitindo investimentos adicionais nesse montante. Em 2005, 92% da folga será destinada ao Ministério dos Transportes.A lista com os projetos a serem incluídos no novo mecanismo, antecipada pelo Estado no dia 20 de dezembro, prevê verbas adicionais de R$ 2,53 bilhões para rodovias. Desses, R$ 874 milhões são para a restauração de estradas. Também serão beneficiados pelo novo mecanismo obras como as duplicações da rodovia BR 101, entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina e no Nordeste, e a duplicação da BR 381, em Minas Gerais.O principal critério para a inclusão de um determinado projeto no novo mecanismo é seu retorno financeiro. Toda a argumentação da equipe econômica brasileira nas discussões com o Fundo foi apoiada no fato que há despesas públicas que contribuem para a melhoria das contas públicas e da economia. O cafezinho da repartição pública e a reforma de um porto, por exemplo, são tratadas da mesma forma quando se trata de apurar o resultado das contas públicas. No entanto, argumentou a equipe econômica, os resultados são diferentes e isso deveria ser levado em consideração. Demais projetosOutro grupo de gastos a receber tratamento diferenciado são medidas que melhoram a arrecadação e o controle fiscal. É o caso, por exemplo, dos investimentos para melhorar o controle do pagamento de benefícios pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e evitar fraudes. Esse projeto contribuirá para reduzir o déficit das contas da Previdência. Na mesma linha, com vistas a melhorar a arrecadação do setor público, foram atendidos projetos de integração tributária entre o governo federal e os Estados e a compra de novos scanners para a Receita Federal. Esses aparelhos são utilizados em portos e aeroportos e mostram ao fiscal o conteúdo de contêineres. Com isso, o desembaraço da mercadoria é mais rápido e a fiscalização, mais eficiente.

Agencia Estado,

23 de fevereiro de 2005 | 17h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.