Nova regra derruba limite salarial para uso do FGTS

Com a nova regra, juros serão menores e o valor do financiamento será maior

Isabel Sobral, do Estadão,

30 de outubro de 2007 | 18h10

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou nesta terça-feira, 30, uma medida que vai facilitar o uso do FGTS depositado nas contas individuais dos trabalhadores para abatimento de prestações e saldo devedor de empréstimos habitacionais.   Veja também: Veja queda da parcela do financiamento com recursos do FGTS  Veja o que muda com a nova regra do crédito imobiliário   Para quem tem conta de FGTS há mais de três anos, foram eliminadas as limitações de renda para o uso de até 80% do saldo depositado para este fim. Antes, quanto maior a renda, menor o limite de uso que chegava a 40%.    Como antecipou ontem o Estado, o Conselho Curador aprovou também a criação de uma nova linha de financiamento com recursos do Fundo para os titulares de conta do FGTS cujo salário supera R$ 4,9 mil por mês. Poderão ser adquiridos imóveis avaliados em até R$ 350 mil e o empréstimo pode chegar a R$ 245 mil.   A taxa de juros cobrada nessa linha será de 8,66% ao ano (mais TR), o que representará menos que a média de 10,5% ao ano (mais TR) cobrados em financiamentos com dinheiro das cadernetas de poupança. As duas medidas valerão a partir de janeiro de 2008.   "Essa decisão vai beneficiar quem é o verdadeiro dono do fundo", declarou o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.   O Conselho ainda aprovou hoje o orçamento geral de aplicação de recursos do FGTS para 2008. No total, serão aplicados R$ 11,6 bilhões em programas habitacionais e financiamentos imobiliários e realização de obras de saneamento básico. Esse valor é superior ao orçamento de 2007 quando foram aplicados R$ 11, 2 bilhões. "Esse é o maior orçamento da história do fundo previsto para ser executado", completou Lupi.

Tudo o que sabemos sobre:
FGTS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.