Novas empresas podem aderir ao acordo Varig-TAM

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, previu que novas empresas aéreas deverão aderir à nova companhia a ser criada em conjunto pela Varig e pela TAM. Ele disse que apóia a idéia, que ele considera o primeiro passo para a reestruturação do setor. "O governo não atuará como hospital de empresas, mas apoiará soluções de mercado acertadas entre os acionistas", afirmou. Segundo o ministro, este entendimento entre a primeira e a segunda empresas do setor aéreo brasileiro leva o governo a olhar com outros olhos a regulamentação do setor. Ele disse que o Ministério da Defesa e a área econômica do governo estudarão as mudanças regulatórias que serão encaminhadas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao Congresso. Segundo Furlan, a crise do setor aéreo tem razões internas e externas e, no Brasil, há um excesso de oferta de 35% a 40%, situação que é agravada pela pressão de custos, principalmente por causa dos preços dos combustíveis e do câmbio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.