Novata, HRT ganha concessões e vai explorar petróleo na Namíbia

A petroleira novata brasileira HRT O&G obteve três concessões para exploração de petróleo na Namíbia. Criada no ano passado a partir de uma das maiores companhias de pesquisa geológica da América do Sul, a empresa tem hoje participação em 21 concessões exploratórias na Bacia do Solimões, na Amazônia. O investimento na Namíbia, em um primeiro período exploratório, será de US$ 8,5 milhões.

Nicola Pamplona / RIO, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2010 | 00h00

Em nota, o presidente da HRT, Márcio Mello, afirmou que espera encontrar reservas de até 5 bilhões de barris de petróleo nas bacias sedimentares da Namíbia. A companhia participou de estudos geológicos na região. "As bacias sedimentares da Namíbia foram esquecidas por décadas, ofuscadas pelo sucesso do offshore de Angola", disse Mello, referindo-se a um dos principais polos petrolíferos na costa africana.

Os blocos adquiridos na Namíbia estão localizados em águas profundas, próximos ao campo gasífero de Kudu, com reservas de 1,3 trilhão de pés cúbicos, na Bacia do Orange. A HRT tem 40% das concessões adquiridas na Namíbia. O restante é dividido entre Universal Power, com 40%, e Acarus Investments, com 20%. O contrato prevê outras duas fases exploratórias, após a perfuração de poços.

"Essas concessões agregam imenso potencial ao crescente portfólio da HRT O&G, que considera as bacias sedimentares do offshore da Namíbia análogas às bacias petrolíferas do offshore do Sudeste brasileiro", comentou Mello. A companhia nasceu no ano passado a partir da união de Mello com técnicos do setor.

A primeira operação da companhia foi iniciada ainda no ano passado, com a compra, junto à MS Oil & Gas e à Petra Energia, de 21 concessões na Bacia do Solimões, até o momento só explorada pela Petrobrás. Com 48 mil quilômetros quadrados, as concessões têm potencial para "transformar a companhia na maior empresa independente de exploração e produção do País", diz o texto divulgado ontem. A bacia do Solimões é hoje a maior produtora de petróleo e gás em terra no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.