Nove bancos dos EUA começam a receber ajuda nesta semana

Departamento do Tesouro vai investir US$ 125 bilhões nas instituições, como parte do pacote de resgate no país

Gustavo Nicoletta e Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

27 de outubro de 2008 | 12h37

O Departamento de Tesouro dos Estados Unidos concluiu no domingo os acordos para investir US$ 125 bilhões em nove dos maiores bancos do país, que começarão a receber os recursos esta semana, disse o secretário-assistente para instituições financeiras do Tesouro, David Nason, à rede de notícias CNBC. O dinheiro é parte do programa de ajuda de US$ 700 bilhões aprovado recentemente pelo Congresso norte-americano. Veja também:Lições de 29A crise de 29 na memória de José MindlinVeja o que muda com a Medida Provisória 443Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  Ele acrescentou que dentro de algumas semanas o Tesouro dará início aos leilões por meio dos quais um segundo grupo de bancos poderá receber outra injeção de capital, também avaliada em US$ 125 bilhões.  Diversas instituições financeiras anunciaram desde a semana passada que participariam do segundo grupo de beneficiados pelo programa do Tesouro. Milhares de empresas norte-americanas preenchem os requisitos para obter o financiamento e têm até 14 de novembro para manifestar interesse.  Todas as instituições que participarem do programa fornecerão participação acionária ao Tesouro em troca das injeções de capital.  Nason também defendeu os esforços do governo norte-americano para incentivar os empréstimos interbancários por meio da compra direta de ativos sem liquidez, argumentando que esta intervenção é necessária para estabilizar os mercados no curto prazo. No longo prazo, haverá "reformas regulatórias significativas para garantir que isto não ocorra novamente." Fed O Fed divulgou nesta segunda-feira as taxas de juro para sua nova linha de commercial papers, lançando assim seu programa para emprestar recursos às companhias norte-americanas por um período de três meses. A taxa dos commercial papers foi estabelecida em 1,88% e dos commercial papers lastreados por ativos em 3,88%. O programa foi anunciado na terça-feira da semana passada e, segundo documentos do Fed, o montante total em commercial papers que poderá ser financiado por sua nova Linha de Financiamento de Commercial Paper (CPFF, na sigla em inglês) seria de cerca de US$ 1,8 trilhão. O Fed disse que várias companhias se apresentaram para participar do programa, que pretende alavancar este mercado. Além de uma tarifa inicial, baseada no montante máximo de commercial papers já emitidos e presentes no mercado entre 1º de janeiro e 31 de agosto, as companhias têm de pagar dois pontos porcentuais sobre o índice de taxa de swap overnight para três meses para os papéis não garantidos. Para os papéis garantidos por ativos, o custo será o índice de taxa de swap overnight mais 3 pontos porcentuais. A General Electric e a American Express Co estão registradas para participar do programa.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.