Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Edu Andrade/Ministério da Economia
Pressionado, Guedes já vem dizendo que vai trabalhar na proposta de reforma do IR. Edu Andrade/Ministério da Economia

Nove partidos se manifestam contra reforma do IR e alegam que governo quer engordar cofres públicos

Em nota, PSL, MDB, Solidariedade, Cidadania, DEM, Novo, Podemos, PSDB e PV também apontam que projeto de Guedes vai aumentar os impostos de famílias e empresas

Camila Turtelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 20h41

BRASÍLIA - Os dirigentes de nove partidos (PSL, MDB, Solidariedade, Cidadania, DEM, Novo, Podemos, PSDB e PV) divulgaram nota nesta quinta-feira, 8, se posicionado contrários à reforma do Imposto de Renda entregue pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ao Congresso no mês passado. Segundo as legendas, a proposta aumentará os impostos de famílias e empresas. 

“Decidimos vir a público nos manifestar contra o projeto do governo sobre a reforma do Imposto de Renda. Os setores produtivos e a classe trabalhadora do Brasil não suportam uma proposta que aumenta a carga tributária, penaliza os investimentos e atrapalha a geração de empregos e renda. É preciso denunciar com vigor que o único objetivo do atual governo na sua ‘anti-reforma’ é engordar os cofres públicos”, escrevem os presidentes destes partidos.

Ontem, mais de 120 associações empresariais já tinham se manifestado contrárias ao texto que mexe na tributação do IR para empresas, pessoas físicas e investimentos. Os empresários pediram que o Congresso analisasse primeiro a reforma administrativa, que propõe reformular o RH do Estado, com novas regras para contratar, promover e demitir os servidores públicos.

Guedes se reuniu hoje com empresários "pesos pesados" do PIB e prometeu recalibrar as alíquotas do IR sobre as empresas para que a reforma não aumente a carga tributária. Disse, porém, que não abre mão da taxação sobre a distribuição de lucros e dividendos.

Na carta, os presidentes dos partidos dizem reconhecer distorções no Imposto de Renda e necessidade de reorganização, mas não de "a toque de caixa" sob pressão do Executivo. "Colocam em risco a sobrevivência de pequenas e médias empresas e provocam instabilidade nas de maior porte. A única certeza é que tudo isso vai resultar no desempenho negativo da economia de modo generalizado. Os mais prejudicados serão os 14,7 milhões de brasileiros que procuram por trabalho e, obviamente, as famílias de menor renda”, dizem os partidos. 

Guedes vem dizendo que vai trabalhar na proposta e o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progresistas-AL), que antes queria votar a proposta antes do recesso, agora diz que não pautará enquanto o texto não estiver "maduro".

O relator da reforma, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), não vê o manifesto com preocupação. “Estamos do mesmo lado. Porque não vamos deixar aumentar no relatório. Estamos trabalhando para, inclusive, baixar”, disse.

Um dos signatários da carta é o presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45, que, até a presidência de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Câmara, era considerada uma das principais propostas de reforma tributária. Com a eleição da nova direção do Congresso, no entanto, o grupo criado para convergir as propostas de reforma tributária foi desfeito e optou-se por fatiar a proposta.

A reformulação do IR é a segunda fase da reforma já entregue pelo governo ao Congresso. Antes, a equipe econômica mandou a criação da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), proposta de fusão dos atuais PIS/Cofins

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Em encontro com empresários, Guedes reconhece erro na dose da reforma tributária e promete correção

Dirigentes de grandes corporações dizem em almoço com o ministro que a Receita Federal quis acertar ‘diferenças antigas’; governo promete recalibrar alíquotas da reforma, mas avisa que não vai abrir mão de tributar lucros e dividendos

O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 19h03
Atualizado 09 de julho de 2021 | 07h56

BRASÍLIA E SÃO PAULO - Em reunião nesta quinta-feira, 7, com pesos pesados do PIB brasileiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, acenou em retirar o que os empresários definiram como “maldades” da Receita Federal da proposta apresentada para reformular o Imposto de Renda.

Críticos do projeto, os empresários disseram que o Fisco se aproveitou da reforma para dar uma “facada” nas empresas, ao fazer cálculos conservadores do impacto das medidas previstas, elevando a carga tributária do setor.

Ao ministro, os empresários disseram que a Receita quis acertar “diferenças antigas” relativas às questões operacionais que não são o foco principal do projeto. Segundo apurou o Estadão, o ministro sinalizou a retirada desses pontos, classificados como acessórios, e prometeu recalibrar a dosagem das alíquotas. Ele deixa o Fisco em uma "saia justa". Nesta semana, em um webinar, o secretário da Receita, José Tostes, defendeu essas medidas, que incluem o combate à elisão fiscal e a reforçam a fiscalização, como essenciais para que a redução da alíquota do IR sobre as empresas seja feita. 

Em entrevista ao Estadão, o próprio relator do projeto, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), antecipou que iria enxugar do texto as medidas criticadas pelo setor empresarial, que dificultariam o que a Receita vê hoje como brechas usadas pelas empresas para pagar menos impostos, entre elas, mecanismos de reorganização societária.

Guedes acenou com a possibilidade de reduzir de 34% para 20% a tributação total que existe hoje sobre o lucro das empresas. Para isso, pediu apoio à estratégia de cortar incentivos fiscais que são dados a um grupo seleto de empresas, como de bebidas e petroquímica. “O que vocês preferem ter: uma ou duas empresas com cacife em Brasília que conseguem lobby e botar essa turma para pagar ou reduzir a alíquota do Imposto de Renda para todo mundo? Para isso, tem de cortar os benefícios”, disse ele aos empresários. O ministro insistiu que não tem como abrir mão da volta da tributação sobre lucros e dividendos.

De acordo com o relato dos presentes, Guedes defendeu que há uma “brecha” neste momento para aprovar a reforma tributária, com ajuda do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL). O ministro voltou a defender no discurso que a proposta foi baseada na neutralidade tributária – ou seja, no total, não vai ter aumento da carga.

“Chegamos à reunião muito preocupados e saímos menos”, disse o presidente do Secovi-SP, Basílio Jafet. Segundo ele, o setor imobiliário seria muito afetado com a atual proposta da reforma “em todos os seus segmentos”. “O ministro nos disse que a reforma precisa ser neutra e que, aparentemente, a Receita errou na dosimetria, e que isso precisa ser corrigido para que o objetivo da reforma seja atingido.”

Segundo um dos empresários presentes, que preferiu não ser identificado, Guedes falou 80% do tempo e tocou em um ponto essencial: o governo se compromete a refazer os cálculos para reduzir ainda mais a alíquota cobrada de IR sobre as empresas. O ministro chegou a pedir aos empresários que mandassem cálculos do quanto deveria ser a alíquota para garantir a neutralidade de cada setor, já que não abre mão da volta da taxação na distribuição de lucros e dividendos.

“A conversa foi surpreendentemente positiva. O ministro disse que o objetivo é de neutralidade, com mecanismos de compensação”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz França. “Ficou muito claro que tem preocupação do governo em não desorganizar os vários setores da economia, inclusive o de incorporação.”

Participantes

O Ministério da Economia divulgou uma lista com 33 empresários como sendo de participantes do almoço às 13h10 desta quinta, com o aviso de que o encontro tinha começado às 13h. Depois de questionado pela reportagem, o ministério informou que divulgaria outra lista dos que realmente estiveram presentes – mas não o fez até o encerramento deste texto.

Da relação que foi divulgada, estiveram presentes, segundo apurou a reportagem, José Berenguer (Banco XP), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), André Freitas (Hedge Investments), Alberto Saraiva (Habib’s), José Olympio (de saída do Credit Suisse), Jean Jereissati (Ambev), Washington Cinel (Gocil Segurança), Daniel Goldberg (Faralon), Vander Giordano (vice-presidente institucional da Multiplan) e o ex-secretário do Tesouro Mansueto Almeida (BTG).

O Estadão apurou que não foram ao evento André Esteves (BTG), Luiza Trajano (Magazine Luiza), David Feffer (Suzano), José Isaac Peres (Multiplan), Josué Gomes (Fiesp), Cândido Pinheiro (Hapvida), Bruno Blatt (Qualicorp), Flávio Rocha (Guararapes), Edgard Corona (Biorritmo) e Fernando Simões (JSL).

“Isso não é uma reforma. É um arrocho tributário pensado e gerado por mentes meramente fiscalistas e que vão agravar os processos e o ciclo vicioso que estamos vivendo. Vai forçar mais os contribuintes a pular a cerca. Aí, você tira a competitividade da economia”, criticou Flávio Rocha, ao Estadão.

Na quarta-feira, o setor empresarial se uniu para tentar barrar a tramitação do projeto. Um grupo de mais de 120 entidades do setor empresarial enviou uma carta ao presidente da Câmara, alertando para os possíveis impactos negativos da proposta e cobrando alterações no texto.

As associações empresariais pediram que o Congresso vote primeiro a reforma administrativa, que mexe nas regras para contratar, promover e demitir os servidores públicos, antes do texto que prevê, entre outros pontos, a volta da taxação na distribuição de lucros e dividendos – até aqui, a mais polêmica medida incluída no projeto.

A proposta entregue ao Congresso pelo ministro Guedes, no fim do mês passado, fixa em 20% a taxação de lucros e dividendos e extingue os chamados Juros sobre Capital Próprio, uma outra forma de remunerar os acionistas. 

O texto também prevê reduzir a alíquota do IRPJ para 12%, em 2022, e para 10% em 2023. Atualmente, é de 15% e há cobrança de 10% sobre o lucro que exceder R$ 20 mil, que não seria alterada.

Os empresários não acreditam nos números do ministro de que não haverá aumento da carga tributária. Na carta divulgada na quarta-feira, eles argumentam que a alíquota total sobre as empresas, de 34% (incluindo o IRPJ mais CSLL) subiria para 43,2%, com a adição da tributação sobre os dividendos.

Segundo as entidades, o Brasil já figura entre “os países do mundo que mais tributam o consumo de bens e serviços, o emprego formal e o lucro dos empreendimentos”. /ADRIANA FERNANDES, EDUARDO RODRIGUES, FERNANDO SCHELLER, FERNANDA GUIMARÃES, ANDRÉ JANKAVSKI E CIRCE BONATELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Empresários convidados por Guedes para discutir reforma do IR durante almoço não compareceram

Ministério divulgou relação de 33 'pesos pesados' que teriam participado do evento, mas Estadão apurou que, pelo menos, dez deles não compareceram

Eduardo Rodrigues, Fernando Scheller e André Jankavski, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 13h34
Atualizado 08 de julho de 2021 | 20h49

BRASÍLIA E SÃO PAULO - Pelo menos dez dos principais empresários 'pesos pesados' não foram ao encontro promovido nesta quinta-feira, 8, em São Paulo, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, organizado para diminuir as resistências do setor produtivo à proposta do governo de reformulação do Imposto de Renda (IR) para pessoas físicas, empresas e investimentos.

O Estadão apurou que não foram ao evento André Esteves (BTG), Luiza Trajano (Magazine Luiza), David Feffer (Suzano), José Isaac Peres (Multiplan), Josué Gomes (Fiesp), Cândido Pinheiro (Hapvida), Bruno Blatt (Qualicorp), Flávio Rocha (Guararapes), Edgard Corona (Biorritmo) e Fernando Simões (JSL).

Ministério da Economia divulgou uma lista de 33 empresários como sendo de participantes do almoço às 13h10, com o aviso de que o encontro tinha começado às 13h. Depois de questionado pela reportagem, o ministério informou que divulgará outra lista dos que realmente estiveram presentes.

Da relação que foi divulgada, estiveram presentes, segundo apurou a reportagem, José Berenguer (Banco XP), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), André Freitas (Hedge Investments), Alberto Saraiva (Habib’s), José Olympio (de saída do Credit Suisse), Jean Jereissati (Ambev), Washington Cinel (Gocil Segurança), Daniel Goldberg (Faralon), Vander Giordano (vice-presidente institucional da Multiplan) e o ex-secretário do Tesouro Mansueto Almeida (BTG).

De acordo com relatos dos presentes, Guedes defendeu que há uma "brecha" neste momento para aprovar a reforma tributária, com ajuda do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL). O ministro voltou a defender no discurso que a proposta foi baseada na neutralidade tributária, ou seja, no total, não vai ter aumento da carga tributária.

"A conversa foi surpreendentemente positiva. O ministro disse que o objetivo é de neutralidade, com mecanismos de compensação", afirmou o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz França. "Ficou muito claro que tem preocupação do governo em não desorganizar os vários setores da economia, inclusive o de incorporação".

"Chegamos à reunião muito preocupados e saímos menos”, disse o presidente do Secovi-SP, Basílio Jafet.  Segundo ele, o setor imobiliário seria muito afetado com a atual proposta da reforma “em todos os seus segmentos”. “O ministro nos disse que a reforma precisa ser neutra e que aparentemente a receita errou na dosimetria e que isso precisa ser corrigido para que o objetivo da reforma seja atingido”.

Segundo um dos empresários presentes, que preferiu não ser identificado, Guedes falou 80% do tempo e tocou em um ponto essencial: o governo se compromete a refazer os cálculos para reduzir ainda mais a alíquota cobrada de IR sobre as empresas. O ministro chegou a pedir aos empresários que mandassem cálculos do quanto deveria ser a alíquota para garantir a neutralidade de cada setor já que não abre mão da volta da taxação na distribuição de lucros e dividendos. 

"Isso não é uma reforma. É um arrocho tributário pensado e gerado por mentes meramente fiscalistas e que vão agravar os processos e o ciclo vicioso que estamos vivendo. Vai forçar mais os contribuintes a pular a cerca. Aí você tira a competitividade da economia", criticou Flávio Rocha,  presidente do conselho do Grupo Guararapes, que não esteve no evento. 

Guedes busca apoio de todos os setores da economia para convencer o Congresso a cortar até R$ 40 bilhões em subsídios a poucos conglomerados em troca de uma redução de até 10 pontos porcentuais no Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) para todas as empresas do País. A proposta original de reforma prevê uma queda de apenas 5 pontos porcentuais no tributo em dois anos.

Na quarta-feira, 7, o setor empresarial se uniu para tentar barrar a tramitação do projeto. Um grupo de mais de 120 entidades do setor empresarial enviou uma carta ao presidente da Câmara, alertando para os impactos negativos da proposta e cobrando alterações no texto. 

As associações empresariais - e não apenas as representadas na carta - pedem que o Congresso vote primeiro a reforma administrativa, que mexe nas regras para contratar, promover e demitir os servidores públicos, antes do texto que prevê, entre outros pontos, a volta da taxação na distribuição de lucros e dividendos - a mais polêmica medida incluída no projeto.

A proposta entregue ao Congresso pelo ministro Guedes, no fim do mês passado, fixa em 20% a taxação de lucros e dividendos e extingue os juros sobre capital próprio, uma outra forma de remunerar os acionistas. O texto também prevê reduzir a alíquota do IRPJ para 12% em 2022 e 10% em 2023. Hoje, é de 15% e há cobrança de 10% sobre o lucro que exceder R$ 20 mil, que não seria alterada.

Os empresários não acreditam nos números do ministro de que não haverá aumento da carga tributária. Na carta entregue ontem, eles argumentam que a alíquota total sobre as empresas, de 34% (incluindo o IRPJ mais CSLL) subiria para 43,2%, com a adição da tributação sobre os dividendos. Segundo as entidades, o Brasil já figura entre “os países do mundo que mais tributam o consumo de bens e serviços, o emprego formal e o lucro dos empreendimentos”. /COLABORARAM CIRCE BONATELLI E FERNANDA GUIMARÃES

De acordo com o Ministério da Economia, a lista de executivos que teriam participado do encontro é a seguinte:

  • João Camargo - Administrador do grupo de empresários Esfera Brasil
  • Alberto Saraiva - Fundador do Habib’s
  • André Esteves - Senior partner do BTG
  • André Freitas - Sócio fundador da Hedge Investments
  • Benjamin Steinbruch - Presidente da CSN
  • Bruno Blatt - Presidente da QUALICORP
  • Candido Pinheiro - Fundador da HAPVIDA
  • Carlos Jereissati - Presidente do Iguatemi
  • Claudio Vale - Fundador da CVPar
  • Daniel Goldberg - Gestor e sócio da Farallon Latin America
  • David Feffer - Presidente da Suzano
  • Edgard Corona - Presidente da Bioritmo
  • Eduardo Diego - Diretor de Administração e Finanças do SEBRAE Nacional
  • Fernando Marques - Presidente da União Química
  • Fernando Simões - Fundador da JSL
  • Flávio Gurgel Rocha - Presidente do Conselho de Administração do Grupo Guararapes
  • Florian Bartunek - Fundador e chefe de investimentos na Constellation
  • Isaac Sidney - Presidente da Febraban
  • Jaimes de Almeida Jr. - Presidente da Almeida Junior
  • Jean Jereissati - Presidente da Ambev
  • José Isaac Peres - Diretor-presidente da Multiplan
  • Josué Gomes da Silva - Presidente da Fiesp e diretor presidente da Coteminas
  • Leopoldo Brugen - Diretor financeiro da Estre Ambiental e do Grupo NC
  • Luiz Carlos Trabuco - Presidente do Conselho de Administração do Bradesco
  • Luiza Helena Trajano - Presidente do Conselho de Administração da Magazine Luiza
  • Mateus Ruiz Santiago - Presidente da Ageo Terminais
  • Orcalino Magalhães - Sócio-administrador do grupo Brasanitas
  • Pedro Kopstein - Sócio-administrador da Kopstein
  • José Berenguer - Presidente do Banco XP AS
  • Rafael Furlanetti - Sócio-diretor institucional da XP Investimentos
  • Renato Kluger - Diretor na Sanca Engenharia
  • Vander Giordano - Vice-presidente institucional da Multiplan Empreendimentos SA
  • Washington Cinel - Presidente e sócio fundador da Gocil Segurança e Serviços

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.