finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Novo crédito é um marco nas relações trabalhistas, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou hoje a medida provisória do Programa de Crédito com Consignação em Folha de Pagamento. O programa possibilita aos trabalhadores da iniciativa privada tomar empréstimos, mediante desconto no contra-cheque. O valor máximo do empréstimo será de até cinco vezes a renda líquida do trabalhador. O pagamento será feito por meio de desconto de parcelas fixas na folha de pagamento, e as parcelas não podem ser superiores a 30% do salário líquido do funcionário.Durante a solenidade de lançamento desse programa, no Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que ele é um marco importante na relação entre empresas, trabalhadores e o sistema financeiro do País. o presidente afirmou que o movimento sindical terá de "jogar duro" para que os juros dessas operações sejam compatíveis com as necessidades do trabalhador. Lula ainda brincou com os jornalistas presentes à solenidade, dizendo que a medida também poderá ser negociada pelos sindicatos dos jornalistas. "Vocês poderão pegar um crédito barato e, com isso, está resolvido, também, o problema da ´pendura´ dos jornalistas deste País", afirmou. MetáforaO presidente usou uma metáfora para ponderar que nem sempre é possível atingir os objetivos traçados por meio de uma única grande medida. "Se a gente não consegue pegar sempre o peixe grande que a gente quer?, disse, ?eu acho que é possível fazer uma grande somatória de peixes menores, fazer uma caldeirada e comer uma boa peixada. Se você não tem o dinheiro para o investimento que um país como o Brasil precisa para voltar a crescer com a rapidez que todos nós queremos, é preciso a gente se mexer para encontrar formas de colocar dinheiro em circulação."Ele aproveitou a solenidade para lembrar outras medidas que já foram tomadas pelo governo no sentido de ampliar o consumo, gerando crescimento econômico no País. Entre elas, citou as operações de microcrédito; a concessão, pelo BNDES, de R$ 1 bilhão para pequenos empresários do setor informal e a concessão de créditos para pequenas empresas, com a abertura de 500 mil contas simplificadas na Caixa Econômica Federal. "Para aqueles que conseguiram, pela primeira vez, entrar em um banco e não ser tratados como indigentes ou suspeitos, isso é uma coisa inusitada", observou Lula, ao citar que a Caixa deve abrir, até dezembro, mais 500 mil contas simplificadas. Ampliar o programa para os aposentados O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, há pouco, que o governo pretende estender aos aposentados o mecanismo que permite a concessão de crédito com consignação em folha de pagamento para os trabalhadores da iniciativa privada. Segundo Lula, para que a medida seja estendida aos aposentados, é necessário fazer uma avaliação junto ao INSS para identificar se o órgão terá as mesmas condições de controle que as empresas do setor privado têm sobre a folha da pagamentos. "Vamos fazer isso para os aposentados", disse. "É só acertar como". Na avaliação do presidente, a medida é uma troca "esperta, inteligente e oportuna" entre empresas, trabalhadores e bancos que permitirá o aumento do consumo e da produção no País e, posssivelmente, também da geração de empregos. "Isso aqui não é favor do governo, da Febraban ou de ninguém", afirmou. Lula observou que o risco das instituições financeiras nesse tipo de operação será zero, já que a garantia será o salário do trabalhador, considerado pelo presidente "a coisa mais sagrada" do empregado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.