Novo diálogo estratégico entre China e EUA será em maio

Os Estados Unidos e a China voltarão a promover o Diálogo Estratégico Econômico em Washington, em maio de 2007. Até lá, Pequim deve continuar rejeitando a imposição de um cronograma específico para a valorização do yuan, mas deve aceitar um programa destinado a conter a expansão de seu superávit na balança comercial com os norte-americanos.Enquanto isso, busca-se tornar realidade a autorização por parte das autoridades chinesas para a abertura das representações da Bolsa de Valores de Nova York e da Nasdaq na China. Este acordo foi conseguido no encontro oficial que Estados Unidos e China realizaram ainda em dezembro em Pequim.As altas taxas de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) chinês, que devem ultrapassar a casa de 9,5% neste ano de 2007, segundo órgãos do próprio governo, podem ser consideradas como um grande incentivo para a conclusão de novos acordos econômicos entre os dois países.Conforme salientou a vice-primeira-ministra chinesa, Wu Yi, a economia nacional continuará crescendo a uma média de 9,6% pelos próximos 15 anos, alicerçada numa enorme demanda do mercado, na taxa de poupança relativamente alta, nos abundantes recursos humanos e numa qualidade de vida cada vez melhor.Pequim já divulgou os objetivos da próxima cúpula. Os dois países dedicarão uma atenção especial às questões de inovação, educação e às relações comerciais bilaterais durante a segunda edição do Diálogo Estratégico em maio de 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.