Novo foco de febre aftosa é descoberto na Argentina

Um novo foco de febre aftosa em bovinos foi registrado no último final de semana na Argentina, na província de Vicuña Mackenna, ao sul de Córdoba, informa o assessor da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Alimentação do país, o engenheiro agrônomo Domingo Di Nucci. "O foco foi detectado no último final de semana. Foi um único foco e a situação já foi controlada", afirma.Ele ressalta que o rebanho bovino da região sul de Córdoba soma 7 milhões de cabeças. Di Nucci não tem estimativa sobre o número de bovinos na provícia de Vicuña Mackenna. O engenheiro explica que, para controlar o foco, 18 bovinos foram abatidos com rifle sanitário. As carcaças desses animais já foram incineradas. "Outros 130 bovinos foram abatidos em frigoríficos locais e as carnes serão vendidas normalmente", disse.Di Nucci lembra que a reincidência da febre aftosa no rebanho da Argentina não afeta os embarques de carne bovina para a União Européia. Os europeus suspenderam as importações de carne bovina da Argentina em março de 2001, quando foram registrados focos de febre aftosa no país. Na época, também foram suspensas as importações de carne bovina do Rio Grande do Sul e Uruguai.No final de 2001, a União Européia liberou as compras do Rio Grande do Sul e do Uruguai. No dia 15 de janeiro último, a União Européia também suspendeu o embargo à carne argentina. "Voltaremos a exportar carne bovina para a União Européia normalmente a partir de 1º de fevereiro. Só não poderemos exportar carne bovina produzida no sul de Córdoba, mas os embarques do restante do país estão liberados", explica. "Uma vez controlado o foco, as exportações de carne da região estarão liberadas em 60 dias. Essa é a regra".Ou seja, as exportações de carne bovina da província de Vicuña Mackenna deverão ser liberadas em abril, caso o último foco tenha sido controlado. Dentro da cota Hilton, a Argentina tem direito a exportar 28 mil toneladas para a União Européia. O volume é fixado anualmente e a quota atual vale para o período entre julho de 2001 a junho de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.