Novo fundo imobiliário sai na próxima semana

A Mercúrio Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (DTVM), controlada pela Rio Bravo Investimentos, lançará no dia 5 de junho cotas do fundo imobiliário Novo Anhembi. A carteira do fundo será lastreada em um imóvel localizado dentro do Complexo Anhembi. Trata-se do Centro de Feiras e Eventos Novo Anhembi, que está em fase de construção e contará com um centro de feiras, um centro de eventos e convenções, um centro de conveniências e um estacionamento comercial com 2.014 vagas cobertas. O Centro de Feiras e Eventos Novo Anhembi terá uma área total de 69.814 metros quadrados e será de propriedade do fundo imobiliário Novo Anhembi. "O rendimento do fundo será dado a partir de 2004, com a conclusão da construção do empreendimento. A partir daí, a locação das áreas será distribuída aos cotistas do fundo, gerando o rendimento de cada investidor", afirma Tomás Salles, diretor de novos negócios da Lopes Consultoria de Imóveis, empresa que atua em parceria com a Mercúrio DTVM no empreendimento.De acordo com o diretor da Mercúrio DTVM, Rossano Nonino, serão oferecidos lotes de 49 mil cotas, sendo que cada cota terá um valor um pouco acima de R$ 1,00, resultando num total de R$ 50.180,94 como investimento inicial. Ao adquirir o lote, o interessado deve efetuar o pagamento de uma parcela inicial de R$ 6.272,62 e, após 30 dias, outra do mesmo valor. O restante deve ser quitado em 20 parcelas mensais de R$ 1.881,79. Não serão aceitos pagamentos à vista. Nonino explica que esses lotes foram estabelecidos apenas para o investimento inicial. "Depois de quitar o pagamento de sua aplicação, o investidor poderá negociar suas cotas sem que haja um número específico para a formação de um lote. Ou seja, as operações poderão ser feitas com um número variável de cotas, tornando as negociações mais fáceis, já que as cotas têm um valor baixo", explica o diretor da Mercúrio DTVM. Segundo ele, após a venda das cotas do fundo, será proposto em assembléia aos investidores que as cotas sejam listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) para futura negociação. "Este procedimento não é garantia de maior liquidez na aplicação, mas certamente favorecerá a negociação entre investidores", afirma. A projeção de ganho para os cotistas do fundo Novo Anhembi é um rendimento anual (não descontado o IR) de 11,9% no primeiro ano após o final da construção do Centro de Feiras e Eventos Novo Anhembi. Nesta projeção, segundo Nonino, leva-se em conta uma perspectiva de locação de 50% total do empreendimento no primeiro ano de funcionamento. "Depois do quarto ano, a projeção de locação sobe para 65% no centro de feiras e exposições, 63% no centro de convenções e 95% no centro de conveniências", afirma Nonino, que prevê também um crescimento de 5% nas receitas a partir do quarto ano. Dentro desta perspectiva, ele acredita que os cotistas terão um ganho anual (não descontado o IR) de 19,4% a partir do 13º ano.Nestas projeções, o diretor da Mercúrio DTVM destaca que já foi descontada a taxa de administração da carteira, estabelecida em 2% ao ano sobre a receita líquida com a locação do empreendimento. Os interessados em adquirir cotas do fundo Novo Anhembi devem contatar o call center da Mercúrio no telefone 0800-8888234. Neste telefone, também será oferecido o atendimento de consultores da Lopes Administradora de Imóveis.Mais informações sobre fundos imobiliáriosOs fundos imobiliários são uma alternativa para quem quer investir no setor imobiliário e não está disposto a correr o risco e nem ter o trabalho de administrar um imóvel. Neste investimento, o interessado deve comprar uma cota do fundo, normalmente durante a construção do imóvel, e depois recebe um rendimento, de acordo com a renda obtida com a locação.O risco de um fundo imobiliário é o baixo nível de locação de alguns empreendimentos, o mesmo risco que assume quem compra um bem efetivamente. Para diluir este risco, as carteiras dos fundos imobiliários geralmente são lastreadas em mais de um imóvel. De qualquer forma, qualquer unidade que não seja alugada reduz o rendimento do investidor. No limite, se a renda com aluguel for muito baixa, o investidor pode até ter de cobrir as despesas com administração dos bens.Outro aspecto negativo é a impossibilidade de sair do investimento de imediato. Isso porque o administrador, que é uma instituição financeira, não tem o compromisso de garantir a recompra das cotas vendidas. O caminho que resta ao investidor é recorrer ao mercado secundário para venda de suas cotas. No entanto, este ainda é pouco difundido e tem pouca liquidez.Para amenizar esse problema, alguns fundos formam um pool, ou um grupo, entre os investidores, para garantir a compra das cotas de quem quiser sair. Mas, ainda assim, não é garantido que se receba todo o dinheiro investido, dado que o preço da cota pode cair ou o grupo pode não ter dinheiro suficiente para a recompra pelo valor de compra.Veja mais informações sobre os fundos imobiliários nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.