Novo fundo para exportação terá US$ 600 milhões em 2006

O novo Programa de Gestão de Garantias doBanco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)contemplará empresas com receita bruta anual de até R$ 100milhões e contará ao final dos próximos quatro anos com um fundo de US$ 600 milhões. O detalhamento do programa foifeito hoje pelo presidente do BNDES, Eleazar de Carvalho,durante o 22º Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex). Ontem, no mesmo evento, o ministro do Desenvolvimento, Indústriae Comércio Exterior, Sérgio Amaral, havia anunciado a medida emlinhas gerais, como um instrumento para ampliar a baseexportadora brasileira. O programa, que será aprovado segunda-feira peladiretoria do BNDES, está sendo lançado para agilizar o acessodas micro, pequenas e médias empresas a recursos para exportaçãoe terá como "banco âncora" o Banco do Brasil, que segundoEleazar, já tem intensa capilaridade junto às empresas depequeno porte. O aporte inicial do banco para a constituição deum fundo de aval para o programa será de R$ 100 milhões. Essefundo será "alimentado" especialmente por uma comissão degarantia de 0,20% que será cobrada do BNDES nas operações juntoa grandes empresas. Na avaliação do BNDES, o fundo deverá chegar aos US$ 600milhões em quatro anos. Inicialmente, a instituição financeiraparceira assumirá um risco de 20% da operação e o BNDES de 80%do saldo devedor do financiamento, sendo que o spread (taxa deremuneração) do agente financeiro será de 4% ao ano. SegundoEleazar, esses porcentuais poderão ser alterados ao longo dotempo, dependendo da "performance" das instituiçõesfinanceiras. Segundo ele, o principal avanço com o novo programaserá o aumento da flexibilidade e agilidade na constituição degarantias para o exportador.CCREleazar anunciou também que o projeto derevitalização do Convênio de Crédito Recíproco (CCR) contemplaráainda neste ano os países da Associação Latino-americana deIntegração (Aladi). Segundo ele, essa nova modalidade do CCRterá como parceira a Seguradora Brasileira de Crédito àsExportações (SBCE). O presidente do BNDES disse que o banco já está"plenamente preparado" para apoiar a internacionalização dasempresas brasileiras e isso ocorrerá, por exemplo, pelaparticipação do banco, via BNDESPar, com investimentos emmercado de capitais. Outra iniciativa deverá ser "dinamizarparcerias" e convênios estabelecidos com bancos dedesenvolvimento de outros países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.