Novo governo precisará de superávit fiscal de 4%, diz Delfim

O novo governo brasileiro, que assumirá em 2003, vai precisar de um superávit fiscal de no mínimo 4% do PIB "para devolver a tranqüilidade aos investidores", disse hoje o deputado federal Antonio Delfim Netto (PPB-SP). "Não sei exatamente o patamar. Pode ser 4%, 4,2% ou até 4,5%. Mas vai precisar", afirmou. Ele afirmou que seria muito melhor fazer isto através de cortes nos gastos, em vez de aumento de impostos. "O governo já enxuga 40% do PIB. E o governo é muito ineficiente", explicou. "Não há notícia no mundo de um governo que conseguiu crescimento da economia aumentando os impostos.?O aumento inesperado da taxa Selic para 21% teve relação não com a questão cambial, mas com o programa de metas de inflação, disse hoje o deputado Antonio Delfim Netto (PPB-SP). "O governo não pode determinar a taxa de câmbio e o presidente do Banco Central, Arminio Fraga, sabe disso", disse Delfim. "Ele estava agindo para salvar o programa de metas de inflação. Aliás, o Banco Central devia ter aumentado os juros já há muito tempo", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.