Novo impasse aumenta frustração na OMC

GENEBRA - A Organização Mundial do Comércio (OMC) caminha para reconhecer que as negociações para a liberalização do comércio internacional fracassaram, abrindo oficialmente uma era de incertezas para o destino da entidade que ocupa todo um quarteirão em Genebra, emprega 700 pessoas e era, há 20 anos, a esperança de que a diplomacia poderia ser a resposta às crises internacionais.

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2014 | 02h04

Governos de todo o mundo, que na prática já tinham abandonado em parte a entidade e se dedicado a acordos bilaterais, agora terão de pensar qual função dar ao organismo que não atrai nem mesmo manifestantes para suas portas.

O centro do novo impasse é um desentendimento entre Índia e EUA por causa do comércio agrícola. Nova Délhi quer garantias de que seus pequenos agricultores serão protegidos de uma liberalização. Mas, para isso, estão bloqueando a adoção do pacote de Bali, costurado em dezembro.

Apesar da pressão sobre a Índia e até de ameaças do governo brasileiro de romper a aliança com os indianos, até o fechamento desta edição Nova Délhi não havia mudado de opinião.

Ontem, o brasileiro Roberto Azevedo, diretor da OMC, não escondia sua preocupação diante da situação. "Hoje, não temos uma solução." Longe do discurso oficial, o tom nos corredores da entidade é de desolação e de preocupação em relação ao futuro da OMC, considerada como a "nova geração" das organizações internacionais e aquela que finalmente daria respostas à globalização.

Duas décadas depois, missões diplomáticas passam a escolher embaixadores menos importantes para serem enviados a Genebra, enquanto diplomatas tentam novos postos para ver suas carreiras avançarem. Diplomatas mexicanos, europeus ou indianos chegaram a abandonar suas missões, transformando-se em consultores.

A falta de acordo ainda vem gerando mal-estar entre os funcionários. Se alguns deles eram economistas brilhantes que apostavam na entidade, hoje apenas tratam de produzir novas estimativas do comércio e de monitorar o protecionismo.

Para Azevedo, porém, apenas um acordo na OMC pode dar resposta aos problemas dos emergentes diante dos subsídios agrícolas de americanos e europeus. Segundo ele, acordos bilaterais não resolvem essa distorção. "O sistema multilateral é o melhor que temos."

Tudo o que sabemos sobre:
OMCcomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.