FABIO MOTTA|Estadão
FABIO MOTTA|Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Novo indexador reduzirá prazo para pagamento de dívida com União em 10 anos, diz Estado do Rio

Pela nova lei, governo federal passará a corrigir dívidas a partir de taxa menor

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2015 | 17h01

RIO - A regulamentação do novo indexador da dívida de Estados, Distrito Federal e municípios com a União vai reduzir em 10 anos o prazo que o Estado do Rio tem para cumprir suas obrigações, segundo estimativa da Secretaria Estadual da Fazenda do Rio de Janeiro (Sefaz). O órgão, porém, ainda não calcula o valor exato do alívio que a mudança trará aos cofres estaduais.

Segundo a assessoria, os técnicos da Sefaz estão concentrados no fechamento das contas de 2015. Por isso, uma estimativa precisa só será obtida a partir da semana que vem. A informação, porém, é que não há um impacto mensal significativo nos valores pagos.

Hoje, o Estado do Rio desembolsa mensalmente R$ 430 milhões (média de janeiro a setembro de 2015) para honrar seus compromissos com o governo federal. O estoque da dívida com a União, segundo posição de 31 de outubro, é de R$ 67,917 bilhões, sendo R$ 67,792 bilhões (99,8%) corrigidos pelo IGP-DI mais 6,0% ao ano.

Esse é justamente o indexador que foi alterado pelo Decreto 8.616, assinado pela presidente Dilma Rousseff e publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de ontem, com circulação hoje. Pela nova lei, o governo federal passará a corrigir as dívidas a partir da taxa Selic ou pelo IPCA (o que for menor) mais 4% ao ano, a partir de 1º de janeiro de 2016. As novas condições ainda têm efeito retroativo até 1º de janeiro de 2013.

O maior e mais longo dos contratos do Estado do Rio foi um empréstimo de R$ 18,5 bilhões, cuja primeira parcela foi paga em outubro de 1999. O prazo é de 40 anos. Em outubro, o saldo devedor, corrigido pelo IGP-DI mais 6% ao ano, estava em R$ 54,698 bilhões, com a última parcela prevista para 28 de outubro de 2039 pelo indexador antigo. As novas condições devem reduzir esse prazo, assim como deve ocorrer em outros contratos com a União, conforme a estimativa da Sefaz. Na média, a previsão é que o Estado quite todas as suas dívidas 10 anos antes do previsto atualmente.

A dívida com a União representa 65,87% do total da dívida financeira do Estado do Rio de Janeiro, de acordo com o mais recente relatório apresentado pela Sefaz, referente a outubro. Um dos maiores aliados da presidente Dilma Rousseff (PT), o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), emitiu nota mais cedo afirmando que a medida é “positiva para o País”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.