Novo mercado de ações no fim do ano

O presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Alfredo Rizkallah, afirmou que espera implementar o novo mercado brasileiro de ações até o fim do ano. O novo mercado, com papéis de empresas que dão mais direitos aos minoritários, foi sugerido após estudo realizado pela equipe do economista José Roberto Mendonça de Barros."O prazo é quanto mais rápido possível", disse em entrevista na Câmara dos Deputados, onde participou de debate sobre o projeto de lei que altera a Lei das S.As. Ele acredita que o novo mercado vai valorizar o "produto ação" dessas companhias, que terão seu custo reduzido e, com isso, mais sucesso na Bolsa.Rizkallah afirmou que a nova listagem não se restringe às empresas de tecnologia. Segundo ele, outras companhias que queiram aderir também poderão. Todas devem seguir algumas regras especiais, que não valem para o mercado regular. Entre elas, a distribuição de dividendos de forma igual e a adesão a um sistema de arbitragem para definir divergências entre os grupos de acionistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.