Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Novo pacote de ajuda pode reduzir pela metade dívida da Grécia

Plano também inclui uma ampliação do fundo de resgate da União Europeia para 2 trilhões de euros.

BBC Brasil, BBC

25 de setembro de 2011 | 22h21

Um novo pacote de ajuda para lidar com a crise na zona do euro está sendo planejado e deve ser colocado em prática em breve, de acordo com fontes do FMI (Fundo Monetário Internacional) ouvidas pela BBC.

O correspondente econômico da BBC Robert Peston afirma que o principal ponto do plano deve ser a redução de até 50% na dívida da Grécia.

Ele afirma ainda que também está em curso uma ampliação do fundo de resgate da União Europeia. Com isso, o capital disponibilizado para a ajuda financeira a bancos e membros de 440 bilhões de euros para 2 trilhões de euros.

A expectativa é a de que os governos europeus coloquem o plano em prática dentro de cinco ou seis semanas.

Segundo Peston, transformar o projeto em realidade vai ser extremamente difícil. Mas o preço do fracasso poderia uma recessão mundial ou algo ainda pior.

FMI em Atenas

Ainda na noite deste domingo, o FMI anunciou que seus inspetores vão retornar à Grécia "provavelmente nesta semana", para verificar os avanços feitos pelo governo de Atenas.

O anúncio foi feito pouco depois do encontro, em Washington, entre o ministro das Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, com a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.

O ministro disse que seu país continuaria seguindo as regras do plano de austeridade para obter o próximo pacote de ajuda.

Venizelos afirmou que as medidas tomadas por seu governo melhoraram o cenário financeiro do país, mas reconheceu que é preciso fazer mais.

"Se não fizermos esses sacrifícios, nossa soberania está em jogo", disse.

Catástrofe

O ministro grego para Relações Econômicas Internacionais, Constantine Papadopoulos, disse que deixar a zona do euro seria uma catástrofe para o país.

"Pessoalmente acho que deixar a zona do euro nos levaria de volta para os anos 1960 ou 70", disse ele à BBC, referindo-se a poder aquisitivo do país na época.

No início do dia, Lagarde havia dito que o FMI poderia não ter dinheiro suficiente para fornecer pacotes de resgate financeiros para grandes economias da zona do euro.

Ela disse que o FMI consegue cumprir com suas atuais obrigações, mas a situação pode mudar se a crise internacional se agravar.

Riscos

Nesta semana, o FMI e a União Europeia devem monitorar os progressos que a Grécia vem atingindo em seus planos para a redução de seu déficit.

A Grécia ainda recebe dinheiro de um pacote aprovado em maio do ano passado, embora a próxima parcela possa ser cancelada se os inspectores julgarem que o país não está cumprindo as metas de cortes estipuladas.

Analistas dizem que a possibilidade de isto ocorrer é grande.

Sem a parcela deste mês, a Grécia não deve ser capaz de pagar sua dívida a partir do mês que vem.

Um segundo pacote do FMI e União Europeia foi aprovado para a Grécia em julho deste ano, mas este ainda precisa da ratificação de vários países da zona do euro. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
crisefmieuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.