Alyssa Schukar/NYT
Alyssa Schukar/NYT

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Novo pacote de estímulos fiscais dos EUA prevê socorro de US$ 1 trilhão

Entre as medidas apresentadas pelos republicanos, a que deve gerar mais polêmica é a que reduz para US$ 200 auxílio a desempregados

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2020 | 00h32

WASHINGTON - O Partido Republicano apresentou na última segunda-feira, 27, no Senado dos Estados Unidos a proposta de um novo pacote fiscal de US$ 1 trilhão para mitigar os impactos econômicos da pandemia de covid-19

O projeto prorroga o atual benefício de auxílio-desemprego, que expira nesta semana, até setembro, mas reduz o valor pago aos desempregados, de US$ 600 para US$ 200 por semana. A partir de outubro, a medida seria substituída por uma ajuda federal no total de 70% dos salários anteriores dos trabalhadores.

“Temos um pé na pandemia e um pé na recuperação. O povo americano precisa de mais ajuda. Eles precisam que seja abrangente e que seja cuidadosamente adaptada a essa encruzilhada”, disse o líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell

Os democratas, no entanto, criticaram a proposta e querem que o benefício de US$ 600 por semana seja estendido até janeiro. Em maio, o Partido Democrata havia aprovado na Câmara dos Representantes um pacote fiscal maior, de US$ 3,5 trilhões.

Economistas dizem que o benefício, previsto para expirar sexta-feira, forneceu um alívio econômico crucial para os desempregados, e que a redução dos pagamentos poderia formar uma cascata de efeitos prejudiciais na economia. Mas os republicanos afirmam que o socorro é muito generoso, desencorajando os americanos a voltar ao trabalho e, assim, dificultando a recuperação.

Com democratas e republicanos com visões opostas sobre a extensão e a manutenção do valor do auxílio, analistas veem como remota as chances de um acordo até sexta-feira. Com isso, a expectativa de Trump de injetar uma nova rodada de estímulo na economia antes das eleições gerais em novembro pode ser frustrada.

Outros pontos

A proposta apresentada ontem pelos republicanos também prevê uma nova rodada de cheques de US$ 1.200 para cidadãos americanos com renda igual ou inferior a US$ 75 mil por ano. Além disso, o partido do presidente americano, Donald Trump, propõe US$ 105 bilhões para auxiliar escolas que planejam retomar as atividades presenciais e US$ 16 bilhões para realização de testes de covid-19.

Mais cedo, antes da apresentação do pacote, o diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que o governo dos Estados Unidos “está colocando muito dinheiro” para apoiar o quadro, diante da pandemia. “Estamos dando assistência à economia, não há dúvida disso”, afirmou.

Kudlow comentou que o plano da Casa Branca inclui também mais crédito para os empregadores, um bônus para a reabertura de vagas de trabalho. Além disso, citou uma “extensão e um aumento” no Programa de Proteção ao Salário (PPP, na sigla em inglês).

Para o assessor, é preciso que os americanos respeitem “diretrizes simples” para garantir a recuperação econômica em V e que as crianças voltem à escola, com o uso de máscaras, o respeito ao distanciamento social e a testagem dos casos suspeitos da covid-19. O próprio Kudlow usava máscara ao falar em um local aberto aos repórteres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.