Novo presidente do Bankia pede desculpa por queda das ações

Papéis do banco espanhol recuaram fortememte no mercado de ações após a apresentação de um plano para sanear e estabilizar a companhia, que foi estatizada no mês passado

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de junho de 2012 | 16h33

VALÊNCIA - o novo presidente e executivo-chefe do banco espanhol Bankia, José Ignacio Goirigolzarri, se desculpou com os acionistas da instituição pelo dinheiro que eles perderam nos últimos meses, ao apresentar o plano para sanear e estabilizar a companhia, que foi estatizada no mês passado.

Goirigolzarri recebeu uma recepção hostil dos acionistas na primeira reunião anual do banco. Em um sinal de como a marca Bankia foi prejudicada após o resgate anunciado no mês passado, mais de 100 acionistas se juntaram para cobrar uma resposta de como suas poupanças podem ter sido perdidas pela gestão da companhia nos últimos anos. Muitos questionavam porque os ex-gestores não estão sendo responsabilizados pelo prejuízo.

Na reunião, que durou mais de seis horas, Goirigolzarri disse estar ciente das fortes quedas nos preços das ações do Bankia recentemente, e que "lamenta profundamente" por isso. "Eu sei que alguns dos nossos clientes estão decepcionados com a gente. Mas precisamos olhar para o futuro", comentou.

O governo da Espanha vai estatizar o Bankia, ao injetar 19 bilhões de euros na instituição. O resgate ocorre apenas dois anos após a instituição ter sido formada, com a fusão de sete bancos de poupança regionais. Posteriormente, quando o banco teve seu capital aberto, a maior parte das ações foi vendida para os próprios correntistas.

O novo CEO disse que encontrar uma solução para a situação dos detentores de ações preferenciais é uma prioridade para o Bankia, e que a instituição está em contato com as autoridades espanholas e europeias para discutir possíveis saídas. Mas ele reconheceu que, como um banco estatizado, as opções são limitadas. "Nossa capacidade de ganharmos dinheiro no futuro depende da confiança dos nossos clientes", comentou Goirigolzarri.

Ele também detalhou planos para reduzir pela metade os quase 60 bilhões de euros em hipotecas executadas e empréstimos imobiliários podres ao longo dos próximos três anos, além de vender ativos periféricos.

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhacriseBankia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.