Novo presidente dos Correios vem do governo do Distrito Federal

David José de Matos foi funcionário da Eletronorte e nos últimos anos estava ligado ao governo do DF

Karla Mendes, da Agência Estado,

28 de julho de 2010 | 20h31

O ministro das Comunicações, José Artur Filardi, anunciou na noite desta quarta-feira, 28, o novo presidente dos Correios: David José de Matos. Ele foi funcionário da Eletronorte por 26 anos e nos últimos anos estava ligado a funções do governo do Distrito Federal. Os últimos dois cargos que Matos ocupou no governo distrital foram a presidência da Agência Reguladora de Águas e Saneamento do DF (Adasa) e a Secretaria Geral da Novacap (Companhia Urbanizadora de Brasília).

O novo diretor de Recursos Humanos dos Correios é Nelson Luiz Oliveira de Freitas e para o cargo de diretor de Operações dos Correios, vago desde o mês passado, será nomeado Eduardo Artur Rodrigues Silva. A função estava sem diretor desde o dia 17 de junho, quando o então diretor Marco Antônio Oliveira foi demitido.

O ministro afirmou que as demissões não são consequência das recentes denúncias acerca de hot site da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) - já retirado do ar - que dava dicas aos candidatos às eleições de outubro como fazer campanha usando mala direta. Ele negou também que seja uma decisão política. "O motivo é que estava sendo estudada pelo governo a necessidade de dar uma oxigenação nos Correios".

Segundo Filardi, a decisão é "administrativa", em consequência das frequentes reclamações sobre o atraso das correspondências e encomendas nos últimos meses. Ele reconhece que esse serviço até melhorou nos últimos dois meses, mas o governo entendeu "que seria a hora de mudar a administração".

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demitiu hoje o presidente dos Correios, Carlos Henrique Custódio, e o diretor de gestão de pessoas da estatal, Pedro Magalhães Bifano, para tentar por um ponto final na crise que tomou conta da estatal. O encarregado por informar Custódio de sua demissão foi o ministro das Comunicações. Já a saída de Magalhães Bifano foi confirmada pela assessoria de imprensa da Casa Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.