Novo reajuste de combustíveis é pouco provável, diz Dilma

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, reiterou que parece "pouco provável" que haja um novo reajuste dos combustíveis (gasolina e diesel) ainda este ano. "Diante do curto prazo, cerca de um mês, não acredito que isso ocorra", comentou em entrevista nesta segunda-feira ao deixar o Congresso Internacional do Comitê deIntegração energética Regional (CIER), que acontece até quarta-feira no Rio. Na semana passada, a ministra havia sido contundente ao afirmar que não haveria mais nenhum reajuste este ano. No entanto, naúltima sexta-feira, o diretor financeiro da Petrobras, Sérgio Gabrielli, disse que a hipótese não estava descartada. "Forçar uma contradição entre o que eu disse e o que ele disse é nadar em águas muito rasas", comentou a ministra em resposta a jornalistas sobre as duas afirmações.A ministra também criticou o que chamou de "falácia generalizada" com relação ao leilão de energia que acontece na semana que vem. "Estão dizendo por aí que este leilão sinaliza como será o próximo. Isso não existe. São produtos completamente diferentes. Um produto que já existe tem um preço. Outro que ainda não existe tem que ter preço diferenciado", resumiu. Dilma comentou ainda a escolha do substituto do presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), José Mario Abdo. Segundo a ministra, o nome "será conhecido no momento oportuno". O mandato de Abdo termina na próxima quinta-feira e, se não for nomeado um dos diretores já no cargo para a presidência, um interino terá que ser indicado até que o nome o substituto definitivo seja encaminhado para o Senado realizar uma sabatina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.