Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Novo regulamento impulsionará TV paga via cabo, diz ministro

Segmento vinha perdendo espaço para a modalidade via satélite 

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

28 de março de 2012 | 12h40

BRASÍLIA - A aprovação do novo regulamento para o serviço de TV por assinatura pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) na semana passada deverá impulsionar o crescimento da TV via cabo no País, que vinha perdendo espaço para a modalidade via satélite. A avaliação é do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

"O cabo deve crescer mais, porque há vários pedidos de outorga que estavam parados", comentou o ministro. Além disso, lembrou Bernardo, empresas de telefonia de origem internacional também poderão operar o serviço de TV paga, já que a nova lei sancionada em setembro de 2011 também reduziu as restrições ao capital estrangeiro nesse mercado.

Atualmente, 56% os usuários do serviço assinam a modalidade de transmissão via satélite, enquanto 42,3% possuem TV via cabo. Em fevereiro do ano passado, o cabo representava 51% do mercado, contra 48,5% da modalidade por satélite. "A entrada de novas empresas no cabo vai baratear muito o serviço, além de forçar uma melhor qualidade entre os concorrentes", completou Paulo Bernardo.

4G

O ministro confirmou o interesse da empresa Sunrise, ligada ao bilionário George Soros no leilão da faixa de 2,5 gigahertz (GHz) para a telefonia de quarta geração (4G), previsto para o maio deste ano. "O interesse do grupo Soros, porém, é apenas para a banda larga, sem serviços de voz", explicou.

De acordo com o ministro também melhorou o cenário para o leilão da faixa de 450 megahertz (MHz), voltada para a internet móvel rural, que ocorrerá juntamente com o 4G. "Surgiram novas tecnologias e o pessoal tem nos procurado para saber detalhes sobre a licitação. Alguns pedidos de ajustem mostram que as empresas estão interessadas", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
tv pagacaboregulamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.