Novo trecho fica para março

Percurso até Mato Grosso do Sul tem cerca de 1.000 km

Renée Pereira, O Estadao de S.Paulo

04 de outubro de 2007 | 00h00

O presidente da estatal Valec, José Francisco das Neves, o Juquinha, anunciou ontem que um novo trecho da Ferrovia Norte-Sul deverá ser leiloado em março do ano que vem. Trata-se do trecho Palmas (TO) - Aparecida do Taboado (MS), com cerca de mil quilômetros. Até então a expectativa era que a Norte-Sul terminasse em Anápolis, no Estado de Goiás.Mas ele afirmou que o traçado deve ser estendido até Mato Grosso do Sul. Assim, a ferrovia superaria os 1.980 km previstos anteriormente, que ia de Belém (PA) a Anápolis (GO). Juquinha explicou que, no momento, a empresa está fazendo o estudo de viabilidade econômica e social da obra, que ficará pronto em breve. Ao contrário do leilão de ontem, o executivo acredita que o novo trecho vai despertar o interesse de outras empresas concessionárias já atuantes no setor ferroviário brasileiro. Entra elas, ele citou a MRS Logística e a América Latina Logística (ALL), além da Companhia Vale do Rio Doce.A explicação é que em Anápolis a Norte-Sul vai se interligar a outras ferrovias, como a Centro Atlântica, da Vale, e a Ferronorte, da ALL. O diretor de Logística da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirma que a empresa ainda não pensou na possibilidade de disputar esse outro trecho. ''''A Vale sempre investiu em infra-estrutura, pois é um negócio que está alinhado com as estratégias da companhia. Isso mostra nosso compromisso com o País e com o desenvolvimento da infra-estrutura'''', destacou o executivo, completando que neste momento as atenções estarão voltadas para o trecho arrematado ontem.Ele avaliou que a Norte-Sul é um novo e importante corredor de exportação para carga geral, como soja, arroz, milho, combustíveis e fertilizantes, que dará maior competitividade ao produto brasileiro. Além disso, tem um apelo social significativo, pois vai fomentar a agricultura no cerrado brasileiro, cuja oferta de terras produtivas para o cultivo de grãos e açúcar é ampla. Além disso, vai acelerar o desenvolvimento portuário do Maranhão, onde está o Porto de Itaqui. A expectativa da companhia é que o término da Norte-Sul e o desenvolvimento da região criem cerca de 50 mil postos de trabalhos diretos e indiretos, a partir de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.