Novos modelos tentam desbancar o Gol

Montadoras vão lançar oito modelos, com preços entre R$ 22 mil e R$ 35 mil, na faixa de mercado liderada há 26 anos pela Volkswagen

CLEIDE SILVA, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2012 | 02h09

Uma nova corrida pelo mercado de carros compactos se inicia no Brasil. Pelo menos oito modelos, com preços entre R$ 22 mil e R$ 35 mil, chegarão ao mercado nos próximos dois anos, todos com produção local. Eles vão acirrar a disputa deflagrada neste fim de ano com o lançamento do Hyundai HB20, do Toyota Etios e do Chevrolet Onix, todos dispostos a abalar a hegemonia do Volkswagen Gol, líder de vendas há 26 anos, e de seus principais concorrentes, o Uno e o Palio, ambos da Fiat.

Modelos classificados como de entrada (antes chamados de populares, com motor 1.0) e hatch pequenos (versões mais completas e motores 1.0 a 1.6) respondem por quase 60% do mercado brasileiro de automóveis, segundo a Fenabrave, entidade representante dos concessionários. Até novembro, 1,45 milhão de unidades foram vendidas, 10,6% a mais em comparação com igual período de 2011. O mercado total cresceu 8%, para 2,58 milhões de automóveis.

Nos próximos dois anos quatro novas fábricas serão inauguradas para produzir carros desses dois segmentos. A primeira será a Chery, que iniciará operações no fim de 2013 em Jacareí (SP). O grupo chinês vai produzir o novo QQ, com preço na casa dos R$ 20 mil, e as versões hatch e sedã do Celer, que custará a partir de R$ 35 mil.

Novas fábricas. Em 2014 serão inauguradas as fábricas da Nissan no Rio (que fará o hoje importado March, na faixa de R$ 25 mil) e a JAC Motors na Bahia, com um carro a partir de R$ 30 mil, sucessor do J2 trazido da China por R$ 31 mil. "O segmento de entrada já é bastante competitivo e ficará ainda mais concorrido com outras marcas pleiteando participação", diz o vice-presidente da Chery, Luis Curi.

As quatro montadoras mais antigas no País, donas de 95% do mercado de entrada, também se movimentam para enfrentar os novos rivais. A Fiat vai abrir em 2014 uma fábrica em Pernambuco para fazer o substituto do Mille, vendido a R$ 22 mil.

A Volkswagen, além de manter a estratégia de renovar o Gol, prepara para o próximo ano a chegada do Up!, subcompacto mais barato que o atual líder de vendas. Para um pouco mais à frente, a General Motors trabalha no desenvolvimento do substituto do Celta (na faixa de R$ 25 mil) e a Ford terá um novo Ka.

Marcas francesas. Renault e Peugeot também estão na briga, a primeira com o recém-lançado novo Clio, vendido a R$ 23,8 mil, e a outra com o 208, previsto para chegar em abril no lugar do 207, hoje oferecido a R$ 30 mil.

"A briga será forte", confirma David Wong, diretor da consultoria A.T.Kearney. "Será um segmento cada vez mais competitivo, o que não significa carros mais baratos", ressalta. Em sua avaliação, os novos produtos terão preços entre R$ 27 mil e R$ 33 mil. O desafio das empresas será o de apresentar carros renovados e equipados com itens de segurança que passam a ser obrigatórios, como airbag e freio ABS.

A chegada em outubro do HB20, produzido pela coreana Hyundai em Piracicaba (SP) já provocou mudanças na lista dos mais vendidos. Em novembro, o compacto com preço a partir de R$ 32 mil já era o oitavo no ranking, com 8.077 unidades.

Entre os concorrentes mais diretos, o Fiat Uno foi o que mais caiu em vendas na passagem de outubro para novembro: 12,9%. O Palio também teve as vendas reduzidas em 8,2% e o Gol em 7,7%. O mercado total de automóveis caiu 7% no período.

Prestes a completar 26 anos de liderança, o Gol acumula vendas de 265,2 mil unidades neste ano, 1,47% a menos que em 2011. O volume é maior do que as vendas somadas de todos os modelos da Renault, quinta maior montadora brasileira, que foi de 219,2 mil veículos até agora.

Em 2013, o trio Gol, Uno (237,5 mil unidades vendidas este ano) e Palio (167,9 mil) vão enfrentar um ano completo de produção do HB20, que em janeiro ganha uma versão esportiva - a B20X. Atualmente, a fila de espera para um exemplar é de três meses. O Etios, por enquanto, teve desempenho abaixo do esperado, com 2 mil unidades no mês passado.

Premium. Outro segmento que promete várias novidades para 2013 é o de sedãs pequenos. Só no primeiro trimestre serão lançados o novo Fiesta (que a Ford produzirá em São Bernardo (SP) em substituição ao importado do México), Onix e HB20 com essa carroceria, fabricados respectivamente pela GM em Gravataí (RS)e pela Hyundai em Piracicaba. Esse segmento vendeu 531,3 mil unidades este ano, alta de 9,3% em relação a 2011.

"Apesar de não terem volume tão significativo, os sedãs médios e os modelos premium também continuarão em alta", prevê o gerente sênior da PricewaterhouseCoopers, Ricardo Pazzianotto. Para ele, a decisão da alemã BMW de produzir no Brasil, anunciada em outubro, "chacoalhou o mercado de luxo".

As concorrentes diretas terão de decidir se também vão competir com fábricas ou seguir importando produtos, o que se tornou caro em razão da alta do IPI em 30 pontos porcentuais. Estudam projetos locais a Audi e a Mercedes-Benz - que já tiveram linhas locais - e a Land Rover.

Entre nacionais e importados, há mais de 20 lançamentos anunciados para 2013, sem contar novas versões. Este ano foram cerca de 40 novidades. Só a GM lançou sete veículos, cinco deles desenvolvidos no País: Cobalt, S10, Trailblazer, Spin e Onix.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.