Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Novos tempos, antigos problemas

Não se pode deixar que fatores exógenos mascarem os reais problemas do setor elétrico

Adriano Pires*, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2020 | 04h00

No dia 16 de outubro o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) realizou uma reunião em caráter extraordinário destinada a avaliar as condições de suprimento energético do Sistema Interligado Nacional. A motivação foi a queda do nível de armazenagem dos reservatórios das usinas hidrelétricas, em decorrência do período prolongado de temperaturas altas e estiagem, sobretudo na Região Sul. Este fato, somado à retomada da atividade econômica, está contribuindo para que o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) atinja valores acima do esperado na maioria dos subsistemas, acendendo um alerta.

O CMSE declarou a importância de redução da geração hidráulica das bacias do subsistema Sul, já que, na expectativa de permanência do cenário de poucas chuvas, o armazenamento previsto para o final de outubro de 2020 será inferior ao volume mínimo operativo e à premissa adotada para o Sul (energia armazenada – EAR 30%). Para assegurar o fornecimento energético, foi autorizado o despacho de usinas termoelétricas fora da ordem de mérito econômico. Neste momento, ocorreu um primeiro problema. Dos 4,3 GW determinados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para despacho fora da ordem do mérito econômico, 3 GW não teriam sido despachados sob a alegação de que não havia gás natural, em razão de algumas plataformas estarem em manutenção. Ou seja, com parte dos reservatórios em níveis abaixo do esperado, as usinas termoelétricas mais caras têm sido despachadas para atender à retomada da demanda – uma prática que vem ocorrendo desde 2013, mostrando que há que ter cuidado com a tese da tão propalada abundância energética.

O fato é que o País está saindo do período seco e outubro é considerado o mês mais crítico para fazer previsões, por ser quando começa a nova janela hidrológica. Segundo as previsões do ONS para outubro, a afluência deve registrar o terceiro pior desempenho para o mês em 90 anos no subsistema Sudeste/Centro-Oeste. A expectativa é de que, ao fim do mês de outubro, sejam atingidos armazenamentos de 23,2%, 19,8%, 52,4% e 32,5% para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, respectivamente, resultando, portanto, na continuidade da degradação dos atuais volumes armazenados e com consequente pressão sobre os preços.

A expectativa era de preços mais baixos para outubro e novembro, mas o PLD, usado como referência para a formação de preços, mantém trajetória de elevação desde setembro e chegou a crescer 64% nas Regiões Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte entre a última semana de setembro e a primeira semana de outubro. A previsão no início da pandemia era de que o PLD ficasse em torno de R$ 100 o MWh em 2020. Agora, a expectativa é de que chegue aos R$ 400/MWh.

E preciso reconhecer que o modelo atual já não reflete as novas condições do sistema elétrico. A matriz elétrica brasileira hoje é constituída predominantemente de fontes intermitentes, como hidrelétricas a fio d’água, eólicas e solares. O quadro deixa evidente a importância de termos térmicas a gás natural inflexíveis no sistema elétrico perto dos centros de carga. Essas térmicas funcionarão como uma espécie de bateria virtual, permitindo um melhor gerenciamento do nível de água dos reservatórios e dando resiliência à expansão das outras renováveis intermitentes. Com esse gerenciamento, a volatilidade do PLD será reduzida com a eliminação da necessidade do acionamento das térmicas mais caras e mais poluentes, tal como vem ocorrendo há muito tempo.

A elevação nos preços em consequência do clima mais quente, da frustração nas previsões hidrológicas e do aumento do consumo não é novidade. Esse cenário está se tornando cíclico desde 2013. Portanto, não se pode deixar que fatores exógenos, como a melhoria na hidrologia e a queda na demanda, mascarem os reais problemas do setor elétrico. É importante lembrar que essa situação se dá num atípico ano de pandemia. Imaginem em ano de crescimento econômico.

É preciso estar atento para o Brasil não repetir os mesmos erros que estão promovendo apagões agora na Califórnia. Nestes novos tempos, vamos corrigir antigos problemas.

*DIRETOR DO CENTRO BRASILEIRO DE INFRAESTRUTURA (CBIE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.