NTC defende isenção dos pedágios de impostos federais

O presidente da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC Logística), Geraldo Vianna, disse nesta sexta-feira que se o governo isentar os pedágios das rodovias de impostos federais, como Imposto de Renda, PIS, Cofins e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), conseguirá reduzir em 20% as tarifas das novas concessões dos sete trechos de rodovias.Na quinta-feira, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, anunciou que o governo vai fazer alterações no edital da concessão desses trechos, com o intuito de reduzir o valor máximo das tarifas, previstas no documento, em "no mínimo" 20%. "Existe uma possibilidade de melhorar os preços dos pedágios, sem mexer na taxa de retorno dos investidores. Basta desonerar os pedágios. É só convencer a Receita (Receita Federal)", provocou Vianna, que esteve esta manhã com o ministro, na sede do Ministério dos Transportes, em Brasília.Segundo ele, quando o governo concede uma rodovia à iniciativa privada ele já está deixando de gastar recursos na conservação dessas pistas. Assim, na avaliação de Vianna, cobrar impostos sobre os pedágios seria ganhar duas vezes sobre as rodovias.Sobre a audiência com o ministro, Vianna disse que a NTC está alinhada com o objetivo do governo de reduzir as tarifas. Mas ressaltou que os transportadores estão preocupados com a possibilidade de as alterações que o governo fará no edital atrasar "em excesso" o processo de concessão.Na opinião de Vianna existem "forças" na sociedade que gostariam de ver o leilão esvaziado. "E esse seria o pior cenário", disse, destacando que para os transportadores é importante que as tarifas dos pedágios sejam baixas, mas também é importante que as rodovias estejam em boas condições. Vianna disse que o ministro Passos lhe assegurou que a reavaliação do edital não vai demorar. "Ele disse que será uma questão de meses", afirmou o executivo, acrescentando que torce para que o leilão dessas rodovias aconteça ainda neste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.