Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

NTN-B ofereceu maior ganho do que NTN-C

A NTN-B denominada de Tesouro IPCA+ é um título do Tesouro Direto pós-fixado, com rentabilidade composta por taxa anual pactuada no ato da compra mais a variação do IPCA acrescida de juros

Fábio Gallo, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2020 | 04h00

Tenho na carteira NTN-C comprada em janeiro de 2004, e pretendo vender. Mas não teria ganho mais com a NTN-B?

O título que rendeu mais em termos reais foi a NTN-B. Para deixar mais claro. A NTN-B denominada de Tesouro IPCA+ é um título do Tesouro Direto pós-fixado, com rentabilidade composta por taxa anual pactuada no ato da compra mais a variação do IPCA acrescida de juros. A forma de pagamento ocorre semestralmente – juros – e no vencimento – principal. Proporciona rentabilidade real. Assim, independentemente da variação da inflação, a rentabilidade total do título sempre será superior a ela. A NTN-C tem como única diferença a correção da inflação que ocorrer pelo IGP-M. Mas a NTN-C deixou de ser negociada pelo Tesouro em 2006. Ambos os títulos são interessantes para quem deseja o rendimento para complementar sua renda a partir do momento da aplicação, pois faz pagamento de juros a cada semestre, diferentemente do Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal). Isso significa que o rendimento é recebido pelo investidor ao longo do período da aplicação, em vez de receber tudo no final. Os pagamentos semestrais, nesse caso, representam uma antecipação da rentabilidade contratada. Para comparar o retorno dos títulos, exige uma certa “calculeira”. Comparei os dois títulos com preço base de R$ 1.000 em julho de 2000, comprados em 02/01/2004 e vendidos em 02/01/2020, portanto, 180 meses de aplicação, ambos com taxa de 6% ao ano para cálculo do cupom – que é o pagamento semestral de juros. A NTN-C foi comprada a R$ 1.260,87 e vendida a R$ 4.463,45. Corrigindo-se o preço de compra pelo IGP-M, teremos como valorização real uma taxa equivalente a 2,34% ao ano, mais os juros reais de 6% ao ano. Por seu lado a NTN-B foi comprada a R$ 1.018,83 e vendida R$ 3.869,28. Corrigindo o preço de compra pelo IPCA, chega-se à valorização real equivalente a 3,15% ao ano, mais os juros reais de 6% ao ano. Em resumo, a NTN-C rendeu 8,34%, acima do IGP-M, ao passo que a NTN-B rendeu 9,15% acima do IPCA. Mesmo que façamos a correção da valorização do preço de compra da NTN-C pelo IPCA, a taxa real sobe um pouco, no entanto, sem alcançar o retorno real da NTN-B.

Além do Fies, existem outras formas de financiamento estudantil?

O governo federal mantém dois programas de financiamento: o Prouni (Programa Universidade Para Todos), que oferece bolsas integrais (100%) ou parciais (50%) da mensalidade em instituições privadas do ensino superior. E o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que financia cursos presenciais em instituições particulares de educação superior, em duas modalidades: o FIES com taxa zero para estudantes com renda familiar per capita de até três salários mínimos. A outra modalidade é o P-Fies, que tem juros variáveis e está voltado a pessoas com renda familiar de até cinco salários mínimos. Há organizações voltadas exclusivamente para o financiamento estudantil, além dos bancos tradicionais que também oferecem essa linha de crédito, de maneira geral com carência para pagamento do principal. Em algumas simulações, encontrei taxas de juros acima de 30% ao ano, algo como 2,20% ao mês. As instituições de ensino superior também oferecem bolsas e alguma forma de financiamento, isto sempre ligado à condição econômica do aluno. Vale a pena fazer simulações considerando o seu caso, mesmo sabendo que é, infelizmente, um crédito caro para quem quer estudar para melhorar de vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.