Número de celulares no Brasil diminui pela primeira vez desde 1999

O número de telefones celulares em operação no Brasil caiu, pela primeira vez desde que os aparelhos chegaram ao País e se transformaram em uma verdadeira coqueluche. Segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o total caiu de aproximadamente 92,377 milhões de unidades em maio para cerca de 91,760 milhões em junho. A agência registra o total de celulares em funcionamento desde janeiro de 1999 e nunca havia registrado redução de um mês para o outro.A redução, de aproximadamente 0,67%, foi causada principalmente por ajustes realizados pela Vivo. A operadora desativou 1,823 milhão de unidades. Em seu balanço financeiro do segundo trimestre, a Vivo explica que decidiu reduzir sua base de clientes, eliminando contas que permaneceram inativas mesmo depois de tentativas de reativação. Estão entre esses casos aparelhos que estavam inativos por fraudes ou que acumulavam dívidas com a operadora. Após a realização desse ajuste, a base de clientes da empresa, ao fim do segundo trimestre, totalizava 28,525 milhões de aparelhos.No balanço apresentado ao mercado, a Vivo ressaltou que apesar de esse ajuste ter sido efetivado no segundo trimestre, na prática esses aparelhos já estavam inativos em meses anteriores. Mesmo com os cortes, a operadora afirma que se mantém na liderança do mercado brasileiro.Os números da Anatel revelam ainda que o ritmo de crescimento da base nacional de aparelhos celulares ao longo do primeiro semestre deste ano foi inferior ao verificado no mesmo período em 2005. Na comparação entre junho passado e dezembro de 2005, quando havia 86,210 milhões de celulares em operação, a base nacional de aparelhos cresceu cerca de 6,4%. Já entre dezembro de 2004 (65,605 milhões de celulares) e junho de 2005 (75,517 milhões), a quantidade de telefones celulares funcionando no País cresceu cerca de 15%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.