Número de cheques devolvidos caiu 4,5% em fevereiro

O número de cheques devolvidos em fevereiro deste ano caiu 4,5% ante fevereiro de 2004 e 5,5% ante janeiro deste ano, enquanto o de protestos de títulos recuou 8,6% em comparação com fevereiro de 2004 e 9,1% em relação a janeiro de 2005, segundo dados divulgados hoje pela empresa de avaliação de crédito Equifax.Conforme os dados, o número de cheques devolvidos caiu de 2,73 milhões em fevereiro de 2004 para 2,61 milhões em fevereiro de 2005. Em janeiro de 2005, este número foi de 2,76 milhões. Já o número de títulos protestados caiu de 641.412 para 586.047 em fevereiro de 2005. Em janeiro deste ano, foram protestados, em todo País, 644.409 títulos.A Equifax constatou, por outro lado, que o número de cheques emitidos por pessoas físicas que foram devolvidos caíram 5,5% e o de pessoas jurídicas (empresas), 3,4%. Quanto aos títulos protestados, a queda foi de, respectivamente, 17,2% e 2%.Cenário melhoraA Equifax atribui a melhora na situação da inadimplência das pessoas físicas, em fevereiro, à "melhora significativa do desemprego ocorrida nos últimos meses". A empresa recorda que, por exemplo, na Grande São Paulo, a taxa de desemprego, que era de 19,1%, em janeiro do ano passado, caiu para 16,7% em janeiro deste ano, conforme dados da Fundação Seade.Por outro lado, conforme a Equifax, o comportamento menos favorável dos indicadores de inadimplência das empresas "reflete uma tendência natural de acomodação do crescimento econômico, depois de um ano de forte expansão". É também causado, segundo a empresa, "pelos efeitos da contínua alta da taxa básica de juros promovida pelo Banco Central desde setembro de 2004.A Equifax prevê, para os próximos meses, um cenário de estabilidade nos indicadores de inadimplência, embora não descarte "uma situação de leve alta da inadimplência, já que as taxas de juros permanecem muito altas e o Banco Central não tem demonstrado disposição para baixá-las rapidamente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.