Número de desocupados cresceu 1,09 milhão, diz IBGE

O número de brasileiros desocupados - pertencentes ao grupo das pessoas economicamente ativas que não estão empregadas mas procuram trabalho - em seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE cresceu de 1,31 milhão em fevereiro de 2002 para 2,4 milhões em fevereiro deste ano, mês ao qual se refere a última pesquisa divulgada pelo instituto. São 1,09 milhão a mais de desocupados no mercado em apenas um ano, um crescimento de 83% no período. Para se ter uma idéia do que esse número significa, basta lembrar que de fevereiro de 2001 para fevereiro de 2002 o número de desocupados havia crescido 313 mil, ou seja, menos de um terço do crescimento apurado do ano passado para este ano.O aumento coincide com a mudança de metodologia na Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE, a partir de novembro do ano passado, que acabou gerando esses números muito elevados que ainda não encontraram explicação nem no próprio instituto nem entre especialistas que analisam o mercado de trabalho. "Estamos analisando outros indicadores conjunturais para dar sustentação a esses dados", disse o técnico do departamento de emprego do IBGE, Cimar Pereira.Segundo ele, o instituto está aprofundando os estudos sobre os números apurados na nova pesquisa para responder à questão sobre o motivo de um aumento tão grande dos desocupados. Ele disse que já é possível antever que as mudanças nos questionários da pesquisa são o principal motivo para o salto nos números. "A captação está muito melhor, as informações mais abrangentes, já esperávamos as mudanças", afirmou. Quando o IBGE divulgou a nova metodologia, disse Pereira, tinha explicações detalhadas para apenas 20% das mudanças numéricas ocorridas.Ele afirmou que isso não muda a eficiência dos dados que vêm sendo divulgados, mas os estudos que explicam as demais mudanças vão permitir uma análise mais complexa do mercado de trabalho. A População Economicamente Ativa (PEA, que inclui ocupados e desocupados), também apresentou um salto de fevereiro do ano passado (18,7 milhões) para dezembro último (20,6 milhões).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.