Número de domésticos cresce no País

O desaquecimento do mercado de trabalho levou milhares de brasileiros a migrar para o trabalho doméstico. Segundo dados da Pnad Contínua do IBGE, 35 mil pessoas ingressaram na área de serviços domésticos nos primeiros três meses do ano. Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, o crescimento foi de 1,6% - foram 94 mil pessoas a mais no período. No total, existem hoje pouco mais de 6 milhões de empregados domésticos no País.

Anna Carolina Papp, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2015 | 02h05

"É um movimento contrário ao que estava acontecendo anteriormente", diz Rafael Bacciotti, economista da Tendências Consultoria Integrada. "A ocupação na área de serviços domésticos estava perdendo forças, pois as pessoas estavam buscando se qualificar minimamente para serem alocadas em outros segmentos, como o comércio. Agora, o cenário passa a ser desfavorável para esse tipo de mudança", diz.

A formalização no serviço doméstico também aumentou, segundo a Pnad. No primeiro trimestre do ano, 32,3% dos trabalhadores tinham carteira assinada - pequeno avanço em relação aos primeiros três meses do ano passado, quando os formais representavam 31,5% do total.

Para ele, o avanço do setor ainda não pode ser considerado um reflexo da PEC das Domésticas, emenda aprovada recentemente pelo Senado que garante benefícios à categoria e incentiva a formalização. "A PEC pode dar alguma segurança, mas esse movimento está mais relacionado à perspectiva de piora no mercado de trabalho e à falta de oportunidades - o que também explica o aumento de pessoas que resolvem trabalhar por conta própria."

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.