Número de endividados cai, mas inadimplência aumenta

Os consumidores da Região Metropolitana de São Paulo estão menos endividados em outubro, em comparação com o mês anterior. Dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), elaborada pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), mostram que o porcentual caiu de 66% para 59%, um recuo de sete pontos porcentuais.O resultado registrado este mês também é inferior ao de outubro do ano passado, quando 68% admitiam ter algum tipo de dívida voluntária. Entram neste grupo pendências com cheque especial, cartão de crédito, empréstimo pessoal ou prestações em geral.De acordo com a assessoria econômica da Fecomercio, o recuo do endividamento mostra que o consumidor está conseguindo pagar as contas, possivelmente, com os recursos do aumento do 3,7% na renda, registrado nos últimos 12 meses."Apesar da queda, o endividamento ainda é considerado elevado e poderá aumentar em função da expansão crescente no volume de crédito", afirmaram os assessores no documento. Eles seguem avaliando que, como a renda do consumidor não aumenta na mesma proporção da oferta de crédito, a tendência é que os salários fiquem cada vez mais comprometidos.Comprometimento da rendaJá o comprometimento da renda do consumidor com dívida apresentou uma queda de quatro pontos porcentuais, passando de 36% para 32% em outubro, segundo a pesquisa que mostra que 48% dos débitos são de médio prazo (entre três meses e um ano), 26% de longo (por mais de um ano) e 23% de curto prazo (até 3 meses).InadimplênciaDepois de três meses consecutivos de queda, o percentual de consumidores que têm contas em atraso pulou de 37% para 41%, segundo a pesquisa. "Diante da proximidade do Natal e da perspectiva de aumento dos gastos, o consumidor admite que poderá ter dificuldades para honrar os compromissos no futuro, embora pelo menos 67% dos entrevistados afirmem que pretendem quitar total ou parcialmente as contas atrasadas", afirmaram os assessores, acrescentando que, no mês anterior, este número era de 77%.O percentual dos que acreditam não ter condições de saldar as dívidas, no entanto, passou de 21%, em setembro, para 32%, este mês. A assessoria econômica da Fecomercio acredita que o total de consumidores com contas em atraso apresentará uma ligeira redução com o recebimento da primeira parcela do 13º salário. A Peic foi lançada pela Fecomercio em fevereiro de 2004 e é coletada mensalmente com cerca de mil consumidores da região metropolitana de São Paulo. O objetivo da pesquisa é o de diagnosticar o grau de comprometimento de renda, endividamento e inadimplência das pessoas com dívidas como cheque especial, cartão de crédito, empréstimo pessoal ou prestações em geral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.