Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Número de famílias que dão mesada aos filhos caiu pela metade desde 2014

Entre os adultos que mantiveram o hábito, 63% o fazem para estimular a educação financeira das crianças

Marina Mori, Especial para O Estado

11 de outubro de 2016 | 17h15

O número de famílias brasileiras que dão mesadas ou semanadas para os filhos caiu quase pela metade desde 2014. Há dois anos, 32% de adultos, entre pais, tios e avós, davam dinheiro às crianças; em 2015, o número passou para 18% e, neste ano, 17% mantiveram o hábito. A pesquisa, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), entrevistou 696 pessoas de todo o Brasil e teve como tema a educação financeira na infância. 

O economista da empresa, Flávio Calife, acredita que a queda se deve à crise econômica do País. “O orçamento doméstico diminuiu muito por conta da piora no mercado de trabalho. Com isso, os pais acabaram cortando gastos e a mesada das crianças é um deles”, explica. Calife acredita que no próximo ano a tendência é de que o porcentual cresça. Na próxima pesquisa, a Boa Vista SCPC espera que haja uma retomada da renda familiar com o controle da recessão no País e, assim, mais de 20% dos pais invistam na mesada dos filhos.

Educação financeira. Entre aqueles que mantêm o hábito, 63% afirmaram dar a mesada aos filhos para incentivar a educação financeira desde cedo. Para o economista, o processo deve começar a partir dos sete ou oito anos de idade. “Elas devem aprender que os recursos têm limites e, para isso, é importante que os pais ofereçam a oportunidade de escolha”, afirma Calife. Ao optar entre um brinquedo e outro, por exemplo, a criança entende que é preciso poupar em vez de insistir para comprar os dois.

A escolha entre mesada ou semanada depende da idade e do comportamento da criança. Na maioria das vezes, as crianças não sabem casar a administração do dinheiro com o tempo até a próxima mesada. “Por conta disso, a semanada pode ser mais vantajosa. Assim, a criança aprende a planejar e poupar seus gastos”, explica o economista.

Com relação à forma como os adultos dão a mesada/semanada, 90% preferem o dinheiro e 6% optam pelo cartão pré-pago. “O cartão pré-pago não é muito complicado de usar e é uma forma de ensinar as crianças sobre esta forma de pagamento, já que provavelmente será o método mais utilizado no futuro”, afirma Calife. 

Segundo a pesquisa, 78% dos pais que utilizam o cartão para a mesada escolheram esta forma pela facilidade em monitorar os gastos das crianças.

Tudo o que sabemos sobre:
Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.