EFE/Dave Hunt
EFE/Dave Hunt

Fundos de hedge focados em criptomoedas avançam com volatilidade do bitcoin

O número de fundos mais do que duplicou nos quatro meses até 15 de fevereiro

Reuters

15 Fevereiro 2018 | 19h03

O número de fundos de hedge focados em criptomoedas mais do que duplicou nos quatro meses até 15 de fevereiro, apesar das fortes quedas no valor das moedas virtuais nas últimas semanas, mostraram dados da empresa de pesquisa Autonomous NEXT nesta quinta-feira, 15.

A empresa registrou um recorde de 226 fundos de hedge globais focados em moedas digitais, ante 110 até 18 de outubro. Em 29 de agosto eram 55 fundos ante apenas 37 no início de 2017.

Os ativos sob gestão atingiram entre US$ 3,5 bilhões e US$ 5 bilhões de dólares, de acordo com a empresa.

++ Número de investidores em bitcoin se aproxima do total do Tesouro Direto

Os fundo de hedge são um tipo de investimento que pode combinar diversos ativos como derivativos, ações, renda fixa.

E o aumento no número desses fundos vem em um momento volátil para as criptomoedas. Depois de atingir um recorde perto de US$ 20 mil em dezembro, o bitcoin perdeu 70% do seu valor para menos de US$ 6 mil em janeiro, registrando o seu pior desempenho mensal em três anos.

O bitcoin já recuperou algumas dessas quedas, mas segue abaixo de US$ 10 mil, apenas cerca de metade do que era há um mês.

As criptomoedas rivais também tiveram quedas acentuadas. O chamado “limite de mercado” de todas as moedas virtuais - o preço multiplicado pelo número de moedas emitidas - atualmente é de cerca de US$ 465 bilhões, de acordo com o site Coinmarketcap, abaixo dos mais de US$ 830 bilhões no início de janeiro.

++ Investidor vê moeda virtual com cautela e ‘testa’ novidade

Contra esse pano de fundo, os fundos de hedge de criptomoedas perderam uma média de 4,6% em janeiro, de acordo com dados da observadora da indústria Eurekahedge.

Em 2017, os fundos obtiveram uma média de 1.477,85%, segundo a Eurekahedge.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.