Número de milionários na poupança cresce 187%

Em 5 anos, número de investidores com mais de R$ 1 milhão na caderneta quase triplicou

EDUARDO CUCOLO , BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2012 | 03h06

A queda na diferença entre o rendimento da poupança e de outros investimentos em renda fixa continua a atrair cada vez mais pessoas com aplicações milionárias para a caderneta. O número de poupadores com mais de R$ 1 milhão depositados na poupança cresceu 187% nos últimos cinco anos, segundo dados do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), divulgados pelo Banco Central. O crescimento está bem acima do verificado no total de poupadores, que aumentou 28% no mesmo período.

O número de investidores com aplicações "milionárias" na poupança passou de 2.480 pessoas físicas no final de 2006 para 7.118 em dezembro de 2011, segundo o balanço mais recente.

Os dados mostram também que esses clientes são responsáveis por uma parcela cada vez maior dos depósitos.

No fim do ano passado, 6,2% do dinheiro aplicado na poupança estava nas mãos desses grandes investidores, que representam apenas 0,007% dos 98 milhões de brasileiros que têm recursos na caderneta. Cinco anos antes, os "milionários" respondiam por 3,6% do saldo.

Os R$ 26 bilhões depositados nas contas dos clientes com mais de R$ 1 milhão são suficientes, por exemplo, para quadruplicar o estoque dos títulos públicos vendidos pela internet para pessoas físicas por meio do Tesouro Direto.

Esses grandes investidores têm, em média, R$ 3,7 milhões aplicados na caderneta. O saldo médio dos demais poupadores é de pouco mais de R$ 4 mil.

O professor da Escola de Economia da FGV-SP, Samy Dana, atribui esse crescimento à falta de informação e de estímulo por parte dos bancos, que podem oferecer aos clientes opções mais atrativas de investimento.

CDBs que pagam porcentuais altos do CDI e, principalmente, o Tesouro Direto, são opções melhores, diz ele, que descarta também a questão da segurança como explicação para esse movimento. Isso porque o FGC só oferece cobertura para aplicações de até R$ 70 mil, tanto na poupança como no CDB em caso de quebra do banco.

Esse fator só seria relevante em relação a fundos de investimento, que não têm o seguro do FGC e apresentam risco maior por causa das aplicações em papéis privados, segundo o especialista.

"Existe uma falta de informação e de educação financeiras. Mesmo com a taxa Selic a 9% ao ano, o CDI paga mais do que a caderneta de poupança. Não teria uma lógica financeira. Talvez pelo comodismo", afirma Dana.

Isenção. Com uma rentabilidade mínima de 6,17% ao ano e isenta de Imposto de Renda e das taxas de administração dos fundos, a poupança ganha atratividade na medida em que a taxa básica de juros cai. A taxa básica está hoje em 9,75% ao ano, e a expectativa do mercado é que caia para 9% ao ano na reunião do Comitê de Política Monetária do BC desta semana.

Dana afirma, no entanto, que uma taxa neste nível obriga o cliente a procurar aplicações que paguem pelo menos 100% do CDI, de preferência em um grande banco, para ter um ganho significativamente maior que a poupança.

Atualmente, fundos de investimento com taxa de administração acima de 1,5% e CDBs que pagam porcentuais baixos de remuneração já perdem da caderneta, principalmente em aplicações com prazo inferior a um ano, que pagam mais de 20% de IR sobre o rendimento.

Quem aplicou R$ 1 milhão na poupança no último mês, por exemplo, obteve um rendimento de R$ 5.396. Para empatar com a caderneta, o investidor precisa encontrar uma aplicação de renda fixa que pague pelo menos 97% do CDI, considerando que será tributado com IR de 22,5% sobre o rendimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.