Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Número de passageiros da aviação é menor em 5 anos, diz Iata

Setor prevê prejuízos de US$ 6,1 bilhões neste ano; América Latina é única região que dá sinais positivos

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

04 de agosto de 2008 | 13h46

A desaceleração da economia mundial afeta diretamente as empresas aéreas e o volume de pessoas embarcando diariamente em aviões. Dados Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) publicados nesta segunda-feira, 4, mostram que o crescimento no número de passageiros é o menor nos últimos cinco anos. O setor prevê terminar 2008 com prejuízos de US$ 6,1 bilhões. A única região que dá sinais positivos é a América Latina, com um crescimento no número de passageiros de 12% em junho.  O setor de cargas sofreu uma retração de 0,8% entre junho de 2007 e junho deste ano, segundo a entidade que reúne as 240 maiores empresas do setor. O crescimento no número de passageiros foi de apenas 3,8% nesse mesmo período, a menor taxa desde 2003, ante um crescimento médio de passageiros de cerca de 5,4% até 2007.  O tráfico interno nos Estados Unidos caiu em 4%. Na Europa, o crescimento de 4,1% registrado até o início do ano foi reduzido para apenas 2,1%. Até mesmo no Oriente Médio, onde o petróleo está dando novo impulso às economias, há queda no crescimento do setor. Em julho de 2007, o número de passageiros crescia a 18%. Em junho deste ano, a taxa foi de apenas 9,6%. Já na América Latina, o número de passageiros em junho teria sido 12,5% maior que na mesma época em 2007. A taxa foi a mais alta em todo o mundo e, segundo a Iata, o motivo é o crescimento da economia da região, que se beneficia das altas nos preços das commodities. Por outro lado, a região apresentou queda de 12% no setor de cargas, a mais acentuada de todas. Nesse caso, a Iata sugere que a redução seria resultado da reestruturação do setor.

Tudo o que sabemos sobre:
AviaçãopassageirosIata

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.