Número de pessoas ocupadas cresce 1,2% em setembro

A taxa de desemprego em setembro ficou em 12,9% nas seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE. Não houve praticamente variação em relação à taxa de agosto (13%), mas foi registrado um crescimento significativo em relação a setembro do ano passado (11,5%). Apesar disso, o número de pessoas ocupadas nas seis regiões atingiu 18,7 milhões de trabalhadores em setembro, número 1,2% superior a agosto e 4,3% maior do que setembro de 2002. De setembro do ano passado para igual mês deste ano, mais 772 mil pessoas foram incluídas como ocupadas no mercado de trabalho. Por outro lado, o crescimento da ocupação não está sendo suficiente ara absorver os desocupados (não trabalhando e à procura de emprego), que cresceu 19,6% de setembro de 2002 para setembro deste ano com o aumento de 456 mil pessoas buscando trabalho. O número de desocupados nas seis regiões atingiu 2,8 milhões em setembro deste ano.SaláriosO rendimento médio dos trabalhadores permaneceu em queda em setembro segundo o IBGE. Na comparação com agosto, houve queda de 2,4% na renda dos ocupados. A redução foi bem maior na comparação com setembro do ano passado, atingindo 14,6%, o que significa uma queda de aproximadamente meio salário mínimo no período. Segundo o IBGE, o rendimento médio real dos ocupados nas seis regiões metropolitanas pesquisadas ficou em R$ 834,20 em setembro, o que equivale a cerca de 3,5 salários mínimos. O IBGE divulgou também um aumento da informalização no mercado de trabalho, com crescimento de 8,7% no número de empregados sem carteira assinada na comparação com setembro de 2002. O número de empregados com carteira assinada, por outro lado, permaneceu praticamente estável (0,2%) no período. O número de trabalhadores por conta própria, que inclui por exemplo os camelôs e alguns profissionais liberais, cresceu 11,1% em setembro ante igual mês do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.