Número de vagas de estágio é retomado

Após adaptação à lei que rege a área e passada a crise mundial, empresas voltam a contratar 

Marcos Burghi, do Jornal da Tarde,

29 de setembro de 2010 | 10h16

Em vigor há dois anos, a nova lei do estágio reduziu de 1,1 milhão para 900 mil o total de oportunidades para estudantes no País entre 2008 e 2010. A conclusão é do Núcleo Brasileiro de Estágio (Nube), que faz a intermediação de vagas.

Carlos Henrique Mencaci, presidente do Nube, afirma que a diminuição ocorreu como consequência de um período de adaptação à nova legislação. A Lei 11.788, que começou a valer em 26 de setembro de 2008, determinou que estudantes que trabalham sob este tipo de contrato passem a ter, entre outros benefícios, férias remuneradas, vale-transporte e jornada de trabalho de seis horas em vez das habituais oito horas.

Segundo ele, houve um receio das empresas em relação às mudanças. Até que tivessem pleno conhecimento das novas regras houve uma redução da oferta de vagas, agravada pelos reflexos da crise econômica internacional, que atingiram o Brasil exatamente em setembro daquele ano, com a quebra do banco americano Lehman Brothers. "Com a retomada do crescimento econômico o número de vagas deve retomar o patamar anterior à lei até o fim do ano ou em 2011", avalia.

Ainda de acordo com o Nube, o valor médio da bolsa-auxílio paga aos estagiários de nível superior foi de R$ 760,78 em 2008 para R$ 805,84 em 2009, mas recuou a R$ 765,25 este ano. Segundo Mencaci, a diminuição se deve à mudança de perfil da carga horária diária de oito horas para seis horas, o que reduziu o valor das bolsas.

Eduardo Oliveira, superintendente operacional do Centro de Integração Empresa Escola (Ciee), reconhece que no momento da implantação da nova lei houve diminuição do número de vagas, mas que o mercado voltou ao normal. "Durante a adaptação houve redução e logo em seguida a crise econômica chegou por aqui, o que afetou investimentos e, indiretamente, os programas de estágio", diz.

Roberta Cesar, gerente de vagas da Companhia de Talentos, estima que atualmente o mercado conte com um número de processos de estágio em andamento 43% superior aos que havia em setembro de 2008, embora desconheça o total exato. Segundo Roberta, em termos de vagas pontuais de estágio, isto é, oportunidades que estão fora dos programas das grandes empresas, atualmente a Companhia de Talentos conta com 382 oportunidades, número apurado até setembro. "Em 2008 todo, foram 333 postos", compara.

Gustavo Ishizawa, 19 anos, aluno do 2º ano de engenharia da Faculdade de Informática e Administração Paulista (Fiap), é estagiário de uma fabricante de componentes de informática desde junho. "Consegui uma vaga na empresa na qual eu queria estagiar", conta. Ele afirma que entre a primeira entrevista e o "sim" da companhia se passaram duas semanas.

Para Mônica de Paula, 20 anos, estudante do 3º ano de Relações Públicas da Faculdade Cásper Líbero, ainda tenta uma oportunidade. "Busco vagas desde o primeiro ano, mas até agora não consegui", diz. Segundo ela, os problemas são as bolsas-auxílio, que considera baixas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.