DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

coluna

Carolina Bartunek no E-Investidor: 5 tendências prejudiciais para quem investe em ações

Esforço do governo agora será para conseguir 308 votos para Previdência

Entre os governistas, já se admite necessidade de um prazo maior para votação do projeto

Fernando Nakagawa e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2017 | 05h00

BRASÍLIA - Minutos após a vitória na votação da reforma trabalhista, deputados governistas já admitiam nos bastidores que o esforço necessário para conquistar os 308 votos para a reforma da Previdência poderá ser ainda maior que o imaginado inicialmente. Enquanto parte do governo trabalha com a possibilidade de que o tema poderia ser votado ainda em maio, já há quem acene com a necessidade de prazo mais longo para conquistar apoio dos parlamentares.

O próprio líder do governo na Câmara reconhece que há muito o que fazer. Para Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), a votação de ontem à noite mostra que o governo tem obtido “apoio crescente”. “Agora passamos para a etapa de convencimento sobre a reforma da Previdência”, disse, ao comentar que o esforço passa a ser de “convencimento e explicação” sobre o tema. 

“Foi uma grande vitória. Tivemos apoio de 296 deputados para alterar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o que mudará as relações trabalhistas”, disse Ribeiro. Questionado sobre eventual votação da reforma previdenciária em maio, ele disse que quer “votar o mais rápido possível”.

O discurso do governo tem mudado o foco para dar mais importância ao resultado da votação e colocar o tema “prazo” em segundo plano. O Planalto tem flexibilizado metas sobre quando a reforma poderia ser aprovada e reforçado o tom sobre a perspectiva de aprovação. 

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, exonerado temporariamente para voltar à Câmara e apoiar a reforma trabalhista, rejeita a avaliação de que o placar dessa votação tenha frustrado o governo. “O número foi muito próximo do necessário para a reforma da Previdência. Não há qualquer frustração.” Sobre o esforço pela Previdência, Araújo citou que a estratégia do governo será de conversar e convencer “partidos e não bancadas”.

Traição. Com exceção do DEM, em todas as bancadas da base aliada foram registradas traições ao governo durante a votação. O PP – do líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PB) – teve o maior número de votos contra o projeto (nove) e o PMDB, partido do presidente Michel Temer, registrou sete dissidentes. 

Mas também houve o inverso: mesmo com a determinação da cúpula para votar contra a proposta, 14 dos 30 deputados do PSB que votaram se mantiveram fiéis ao governo. Tereza Cristina (MS), líder da bancada, seguiu a ordem do partido e orientou voto contra durante a apreciação do texto-base, mas votou a favor do projeto.

No PMDB, os deputados Celso Pansera (RJ), José Fogaça (RS) e Simone Morgado (PA) figuraram na lista dos que votaram contra. O PR também teve sete dissidentes, incluindo Tiririca (SP). No Solidariedade, que orientou voto contra, foram oito votos contra o governo, entre eles do líder Áureo (RJ) e do presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (SP).

O PSD e o PTN tiveram cinco traições; o PRB e o PTB quatro – contando o voto do dissidente Arnaldo Faria de Sá (SP) –; o PSC e o PV duas; e o PPS três – contabilizando o voto do líder da bancada, Arnaldo Jordy (PA). O PSDB teve um voto contra o projeto: de Geovânia de Sá (SC). 

A oposição – PCdoB, PT, PDT, PMB, PSOL e Rede – votou fechada contra o texto-base. Partidos menores, como PROS, PEN, PHS, PSL e PTdoB tiveram votos contra e a favor do projeto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.