bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Números do PIB indicam aceleração da crise na UE

Desempenhos da Alemanha e do Reino Unido, os piores em 22 e 30 anos, respectivamente, mostram que a Europa terá mais dificuldades pela frente

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

26 de fevereiro de 2009 | 00h00

A crise se agrava na Europa. O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido teve o pior desempenho em quase 30 anos e, na Alemanha, o resultado foi o pior em 22 anos. Dados divulgados ontem pelas duas das principais economia da Europa desmentem todas as esperanças de políticos do continente de ver a crise ser superada rapidamente e ser menos grave do que nos Estados Unidos. A maior economia da Europa e maior exportadora do mundo, a Alemanha, teve queda de 2,1% em seu PIB entre outubro e dezembro de 2008. A contração é a pior desde a reunificação da Alemanha em 1990, e apenas superada pelos índices de 1987. Berlim já havia anunciado que 2009 poderia ser o pior ano desde o fim da era de Adolf Hitler. O governo alemão gastará mais de US$ 100 bilhões para relançar a economia nos próximos dois anos. Segundo o governo, a principal razão da queda do PIB foi a contração de 7,3% nas exportações. Só a queda de exportações fez com que o PIB tivesse uma retração de 2%. Internamente, empresas ainda cortaram investimentos e os pedidos industriais recuaram em quase 30%. Em comparação com o mesmo período de 2007, a queda do PIB foi de 1,7%. O consumo privado continuou a cair e os investimentos encolheram em 2,7%. Já os investimentos em construção caíram 1,3%.Com o desemprego aumentando, a previsão de Berlim é de que o PIB alemão termine 2009 com uma queda de 2,25%. A economia, considerada o motor da Europa, ainda afetará toda a região. A estimativa é de que a zona do euro tenha um recuo em seu PIB de 2% em 2009.Empresas como a Volkswagen tiveram suas vendas reduzidas em 21% em janeiro. Na BMW, a queda foi de 24%. A crise no setor automobilístico está, sozinha, levando a uma queda de 1% no PIB alemão. Dados divulgados ontem pela Associação Europeia de Fabricantes de Veículos apontaram ainda que a venda de caminhões no continente apresentou queda de 35% em janeiro.No Reino Unido, o cenário não é muito diferente. A queda do PIB no quarto trimestre de 2008 foi de 1,5% e confirmou uma recessão profunda. O recuo é o mais profundo desde 1980 e a recessão é a primeira desde 1991. A produção industrial teve sua pior retração desde 1974 e a redução das exportações também foi um fator para o péssimo desempenho.No total, a economia britânica encolheu 1,9% em 2008, uma revisão de 0,1% em relação ao que havia sido previsto. Segundo o Escritório Nacional de Estatísticas do Reino Unido, a crise financeira já está plenamente contaminando a economia real. Já estão desempregadas 1,9 milhão de pessoas e 40 mil casas devem ser devolvidas a bancos por famílias inadimplentes em 2009.Nem os pacotes do governo britânico nem o corte de taxas de juros para apenas 1% parecem ter sido suficientes. O governo chegou até mesmo a reduzir impostos para incentivar o consumo. Diante dos números, a esperança é de que tanto o Banco Central Europeu (BCE) como o Banco da Inglaterra tomem, em março, novas medidas para reduzir os juros. Se isso ocorrer, a taxa será a mais baixa já registrada na Europa.NÚMEROS2,1% foi a queda do PIB da Alemanha no quarto trimestre de 2008 US$ 100 bilhões é quanto o governo alemão vai injetar para relançar a economia7,3%Foi quanto caíram as exportações alemãs no quarto trimestre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.