NY e notícias corporativas ruins fazem Bovespa cair 0,9%

Em sessão volátil, a Bolsa de Valoresde São Paulo sucumbiu à combinação do panorama externo negativocom notícias ruins de empresas domésticas e fechou no vermelho,após duas altas seguidas. O Ibovespa, principal índice da bolsa paulista, caiu 0,91por cento, aos 57.017 pontos. O volume negociado somou 4,46bilhões de reais. Praticamente sozinhas, as blue chips Petrobras e Valeprotegeram o Ibovespa de quedas mais pronunciadas. Empurradaspela recuperação no petróleo, cujo barril retomou a marca dos120 dólares, as ações preferenciais da Petrobras subiram 1,7por cento, a 33,86 reais. A Vale agradou com os resultados do segundo trimestre, comaumento do lucro em dólar, garantindo uma boa valorização dasações durante a maior parte do dia. No final, os papéisperderam fôlego, mas ainda assim as preferenciais fecharam comalta de 0,1 por cento, para 36,75 reais. "Mas, conforme o dia foi passando, o conjunto do mercadopesou mais", disse Pedro Galdi, analista da SLW corretora. Em Wall Street, dados mostrando aumento do desemprego nosEstados Unidos, vendas mais fracas do Wall Mart em julho e umprejuízo de 5 bilhões de dólares da seguradora AIG empurraram oíndice Dow Jones para uma queda de 1,93 por cento. Além disso, o dia foi pródigo em notícias ruins no ambientecorporativo doméstico. Entre elas esteve a Gol, que anunciouuma redução no seu plano de frota para os próximos dois anos,para fazer frente à forte alta dos preços dos combustíveis. As ações preferenciais da companhia aérea desabaram 13,9por cento, a 15,96 reais. Para completar o mau dia, a empresaainda teve o rating cortado pela Moody's, que ainda anunciou apossibilidade de novos reduções na nota de crédito. Outro destaque negativo foi a TIM Participações, cujasações preferenciais mergulharam 6 por cento, para 3,76 reais.Não era para menos. A operadora de telefonia celular reportouprejuízo no segundo trimestre, reduziu as estimativas deexpansão da receita líquida e da margem de lucro para 2008. Outro que desagradou o mercado com os resultadostrimestrais foi o Unibanco. A instituição teve lucro 10 porcento menor do que no segundo trimestre de 2007, expandiu menosque seus concorrentes a carteira de crédito, estagnou a receitacom prestação de serviços e piorou a margem financeira. Resultado: as units do banco perderam 3,46 por cento, a20,36 reais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.