NYTimes tem prejuízo, mas vê aumento do número de assinantes

A New York Times Company revelou que fechou o segundo trimestre com prejuízo por causa de uma redução na avaliação do valor da About.com e do contínuo declínio na renda obtida com os anunciantes nas mídias impressas e digitais.

THE NEW YORK TIMES, TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2012 | 03h09

Segundo dados divulgados na quinta-feira, o prejuízo líquido foi de US$ 88,1 milhões, contra prejuízo de US$ 119,7 milhões do mesmo período de 2011, quando a empresa revisou e reduziu a estimativa do valor de seus jornais regionais, que foram posteriormente vendidos.

Os aumentos na tiragem e nas assinaturas digitais contribuíram com um aumento de 0,6% na receita, que chegou a US$ 515,2 milhões. Mas um corte de US$ 194,7 milhões na estimativa do valor da About.com, empresa de guias online comprada em 2005, afetou o resultado final. A Times Company teve prejuízo operacional de US$ 143,6 milhões no trimestre encerrado em 24 de junho. No mesmo período de 2011, o lucro operacional foi de US$ 31,5 milhões.

Publicidade. A receita com publicidade do News Media Group, que inclui o New York Times, o International Herald Tribune e o Boston Globe, teve queda de 6,6%, para US$ 220 milhões. A receita com anúncios na mídia impressa caiu 8%, em parte por causa do pequeno número de anúncios de imóveis. A receita com publicidade na parte digital do grupo jornalístico caiu 1,6%, para US$ 52,6 milhões.

A receita do News Media Group com a tiragem subiu 8,3%, para US$ 233 milhões, em parte por causa de um aumento de preço nas assinaturas e de exemplares avulsos do Times e também pelo crescimento contínuo do número de assinaturas digitais contratadas.

Em março a empresa adotou uma nova abordagem para o programa de assinaturas online, criado há um ano, que deu resultado no segundo trimestre. Os leitores devem agora pagar para acessar o NYTimes.com depois de terem lido 10 artigos gratuitos por mês, limite menor do que os 20 artigos gratuitos estipulados quando o programa de assinaturas foi lançado.

As assinaturas pagas, que dão direito a acessar as edições na internet, nos leitores eletrônicos e outros formatos digitais cresceram 12%, atingindo 509 mil no fim do trimestre. As assinaturas pagas das edições eletrônicas do Globe e do BostonGlobe.com tiveram aumento de 28%, chegando a 23 mil assinantes.

Para presidente e diretor executivo Arthur Sulzberger Jr., os resultados "refletem nossos contínuos esforços de reposicionamento da Times Company para um futuro cada vez mais voltado para o modelo multiplataforma". Ele disse, porém, que o mercado "continua desafiador".

A Times Company continua a buscar um novo diretor executivo para a vaga deixada por Janet L. Robinson, que saiu da empresa no fim de 2011 por decisão de Sulzberger. Segundo fontes, a empresa estaria próxima de definir o nome do novo executivo. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.