Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Imagem Antônio Penteado Mendonça
Colunista
Antônio Penteado Mendonça
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O artigo número mil

É um número bonito, que me honra pela confiança do ‘Estado’, pela importância para o setor de seguros epela aceitação dos artigos, uma fonte de informações

Antonio Penteado Mendonça, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2020 | 05h00

E ele chegou, o artigo número mil da minha colaboração semanal de mais de 19 anos no Estado. É um número bonito, que me honra pela confiança do jornal, pela importância para o setor de seguros e pela aceitação dos artigos, que, ao longo do tempo, ainda se mantêm como fonte de informações.

Se levarmos em conta todos meus artigos sobre seguros, iniciados em 1987 no Estado, estamos falando de mais de 2.500 textos, publicados na grande imprensa brasileira e imprensa especializada, no Brasil e no exterior.

São números importantes porque, por meio dos artigos, me propus a explicar para o leitor não familiarizado com o tema o que é, para que serve e como funciona o seguro.

Eu sou suspeito para falar, porque sou apaixonado pelo seguro, mas, se tomarmos o que foi dito, entre outros, pelo grande líder britânico Winston Churchill, o seguro é a mais eficiente de todas as medidas de proteção social desenvolvidas pelo ser humano em sua longa história de mais de oito mil anos.

As primeiras normatizações sobre uma operação extremamente semelhante ao seguro de transporte moderno remontam há mais de quatro mil anos e estão gravadas em tábuas de escrita cuneiforme, descobertas na Mesopotâmia.

Ao longo dos séculos, o seguro acompanhou o ser humano, sendo corresponsável por alguns dos momentos mais importantes da

É assim que, no século 13, o seguro de crédito está presente nas transações comerciais que impulsionam o progresso das cidades-Estados italianas. Sem o seguro, seria praticamente impossível o comércio entre as nações europeias se desenvolver, já que as operações de compra e venda teriam de ser feitas à vista, em moeda sonante, e não por meio de cartas de crédito como as que eram regularmente emitidas e garantidas pelo seguro.

Grande parte do sucesso das navegações portuguesas é fruto da decisão do rei D. Diniz, que, por volta de 1350, cria uma companhia com a função de repor as embarcações da frota nacional perdidas em infortúnios do mar. O custeio dessa companhia se fazia através da destinação obrigatória de 10% do resultado da venda do pescado.

Através da proteção da frota portuguesa, foi possível ao país desenvolver novas embarcações, como as caravelas, capazes de navegar contra o vento e desafiar os oceanos, permitindo que uma nação com mais ou menos um milhão de habitantes se lançasse à conquista do mundo, criando o primeiro império ultramarino europeu, e também o último a terminar, com a devolução de Macau para a China acontecendo após e devolução de Hong Kong pelos britânicos.

No século 18, a Grã-Bretanha se torna a potência naval da Europa e, com a expansão do império, surge o seguro de transporte para proteger as embarcações e mercadorias em trânsito.

Na sequência, em função de um incêndio que praticamente arrasou Londres, surge o seguro de incêndio. E, na segunda metade do século 19, os alemães introduzem os seguros sociais.

Daí em diante, o seguro se espalhou pelo mundo e as apólices se sofisticaram para fazer frente a praticamente todos os tipos de risco que ameaçam as sociedades.

O seguro estreou no Brasil com a chegada da família real, em 1808. Logo após desembarcar, D. João VI cria o Banco do Brasil e a Companhia Boa-Fé de Seguros. Mas seu desenvolvimento se consolida apenas após a criação do IRB (Instituto de Resseguros do Brasil), no fim da década de 30.

Na década de 80, o seguro de veículos se torna o grande produto do mercado, substituindo o seguro de incêndio como carro-chefe das seguradoras.

O passo seguinte se dá em 2007, com o fim do monopólio do resseguro exercido pelo IRB. Com abertura do mercado, mais de cem resseguradoras se instalam ou são autorizadas a operar no País.

De uma forma ou de outra, participo dessa história desde 1976. Ao entender que o seguro era desconhecido porque quase ninguém escrevia sobre o tema, em 1987 procurei o Estado e propus escrever uma coluna semanal. O artigo mil me orgulha, mas é a você, leitor, que eu devo agradecer. Sem seu apoio, a coluna teria acabado faz tempo. 

* ANTONIO PENTEADO MENDONÇA É SÓCIO DE PENTEADO MENDONÇA E CHAR ADVOCACIA E SECRETÁRIO-GERAL DA ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.