Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O balanço do PIB

Mercado esperava queda muito pior, aliviada pela distribuição do auxílio emergencial à população

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2020 | 19h10

Como o tombo do PIB no segundo trimestre foi o maior de que se tem notícia, convém fazer um balanço dos recados que esses números estão passando a todos nós.

1. A queda foi de 9,7% sobre o primeiro trimestre deste ano, que já havia recuado outros 2,5% sobre o trimestre anterior. É a maior num único trimestre desde 1949, quando as Contas Nacionais começaram a ser medidas no Brasil, pela Fundação Getúlio Vargas (agora pelo IBGE). Maior até do que a ocorrida no período 1918 a 1920, durante a gripe espanhola, quando as estatísticas eram precárias

2. Como de amplo conhecimento, a principal causa desse desastre foi o impacto produzido pela pandemia, que obrigou todos a se entocarem, derrubou o consumo e, com algumas exceções, reduziu toda a atividade produtiva e, com ela, a renda dos brasileiros.

3. Apesar dos números pesados, o mercado respirou aliviado, porque esperava resultado pior. Esperava uma queda mais próxima dos 15%. Em parte, o estrago só não foi maior graças à política de rendas, que distribuiu o auxílio de emergência à população carente.

4. Os setores que mais foram beneficiados por esse bote salva-vidas foram os serviços (mais de 73% do PIB) e o do consumo de alimentos.

5. No mundo, a recessão foi geral. A única economia que conseguiu crescer no período foi a China (+ 11,5%).

6. No Brasil, o único setor que continua se saindo bem é o agropecuário, que avançou 0,4% entre trimestres. Na ótica da demanda, as exportações também aproveitaram o bom momento do agro, os bons preços externos dos alimentos e a puxada nas cotações da moeda estrangeira.

7. O investimento (Formação Bruta de Capital Fixo) também veio abaixo: nada menos que 15,4% e, no trimestre, ficou nos 15,0% do PIB (veja gráfico). Está muito abaixo dos 22% do PIB necessários para garantir um crescimento consistente de 3% ao ano.

8. A pandemia atrapalhou também o levantamento das estatísticas pelo IBGE, na medida em que impediu os técnicos de saírem a campo e muito teve de ser medido e calculado em regime de home office. Por isso, espera-se, também, que a revisão dos números agora divulgados altere certos resultados.

9. Números do PIB melhores do que os esperados levam as instituições que projetam o comportamento da economia a anunciar revisões também nos seus resultados para todo o ano de 2020. Já ninguém mais aposta em recuo do PIB do Brasil da ordem de 6,5% ou 6,0%, como há alguns meses. As novas projeções se situam ao redor dos 5,0%. Mas algumas instituições de peso, como o Grupo Itaú Unibanco, passaram a trabalhar com queda não superior a 4,5%.

10. Portanto, estão abertas as apostas em torno da velocidade e da qualidade da recuperação. Certo número de analistas segue o ministro da Economia, Paulo Guedes. Entende que está em curso uma vigorosa recuperação em “V” e que, em alguns meses, a economia brasileira terá tirado boa parte do atraso. Como são muitas as incertezas pela frente, é mais provável que seja uma recuperação em “ww”(com dáblios minúsculos), ou, quem sabe, em “Ww”. Entre essas incertezas estão o comportamento do consumo, agora mais dependente do auxílio emergencial, o desemprego, a situação calamitosa das contas públicas e os mais baixos do que altos níveis do jogo político, agora em tempo de eleições.

11. O fator que pode alterar as pernas desses “ww” ou “Ww” é a vacina. A China, por exemplo, anuncia que, a partir de outubro, começará a imunizar sua população, de 1,2 bilhão de pessoas e ainda exportará a vacina para demais interessados. Se isso for confirmado, o impacto não se limitará à economia mundial – uma vez que a China aumentará suas encomendas de matérias-primas e alimentos ao resto do mundo –, mas também à geopolítica, na medida em que aumentará a importância do país no jogo global, num período de escolha do novo presidente dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.