Imagem Fernando Dantas
Colunista
Fernando Dantas
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O Banco Central bem que avisou

Desde escândalo das fitas, Brasil abandonou agenda de ajuste fiscal estrutural

Fernando Dantas, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 04h00

Tudo parecia caminhar bem para a economia brasileira no início do ano, com a inflação sob controle, juros em baixa histórica e atividade em recuperação. O desemprego permanecia altíssimo, mas era questão de tempo até que as coisas melhorassem.

+ Dólar fecha a R$ 3,91 após encostar em R$ 3,97


Havia, claro, o gigantesco rombo estrutural das contas públicas, mas o mercado internacional estava tolerante e daria tempo ao País até que um candidato centrista e moderado começasse a atacar o problema no início de 2019, depois de vencer as eleições este ano.

+ BC descarta aumentar Selic para controlar taxa de câmbio

O BC, entretanto, veio fazendo e repetindo o mesmo alerta desde pelo menos o ano passado: havia dois riscos relevantes para a economia e, pior ainda, a possibilidade de que ambos ocorressem ao mesmo tempo. O primeiro era o risco de que o Brasil não fizesse as reformas necessárias para atacar o problema do déficit fiscal estrutural. 

+ Moeda americana passa de R$ 4,30 para o turista

Na ata da reunião do Copom de julho de 2017, por exemplo, pouco depois do escândalo das fitas que pôs a pique a reforma da Previdência, o BC escreveu que “a incerteza sobre a velocidade do processo de reformas e ajustes na economia (principalmente fiscais e creditícias) permanece como fator de risco principal”.

+ Temer diz que não há risco de crise cambial no Brasil

O outro risco, também reiterado ad nauseam pelo BC, era de que o cenário externo ultralíquido e complacente mudasse para pior.

+ Celso Ming: É o dólar perto dos R$ 4

Na ata de fevereiro deste ano, o BC não poderia ter sido mais explícito sobre o perigo da combinação dos dois fatores: “Uma frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária. Esse risco se intensifica no caso de reversão do corrente cenário externo favorável para economias emergentes”.

+ Entenda a alta do dólar

Pois bem, aconteceu. Desde o escândalo das fitas, o Brasil abandonou a agenda de ajuste fiscal estrutural e, nos últimos meses, o cenário externo virou para pior.

+ Fábio Alves: Reputação do BC piora a crise

Há, na verdade, um terceiro fator do qual o BC, órgão técnico de Estado, compreensivelmente não trata diretamente na sua comunicação: o risco político da eleição presidencial. De certa forma, esse risco está indiretamente contido na fórmula da “frustração sobre a continuidade das reformas”. A cada vez mais possível vitória de um candidato populista não traz a menor segurança de que as reformas serão retomadas.

+ Como uma greve de caminhoneiros moldará as eleições no Brasil

Nos últimos dias, e especialmente ontem, os mercados brasileiros entraram quase em pânico. A Bolsa já devolveu todos os ganhos dos primeiros meses de 2018 e entrou em território negativo no ano. A alta do dólar ante o real já se aproxima de 20% desde o início de janeiro. E o pior: os juros de mercado dispararam punitivamente, e vão fazer um estrago numa economia que já se arrastava, afetando negativamente o emprego, a renda e a vida de milhões de brasileiros.

A piora recente se intensificou quando, na última reunião de maio, o Copom manobrou mal e assustou o mercado mantendo a Selic em 6,5%, após sinalizar que cortaria para 6,25%. Já a greve dos caminhoneiros fez o mercado finalmente despertar para o risco da vitória de um populista nas eleições.

Quando não se faz a coisa certa principal, há uma tentação de se atribuir as más consequências a erros de natureza mais operacional, tática.

Dessa forma, é possível que alguém ache que o erro do BC em maio ou a greve dos caminhoneiros sejam os “vilões” da atual crise. Outros criticarão o timing, a forma e a intensidade das intervenções do BC nos mercados cambial e de títulos. Ledo engano. Tudo isso importa, claro, mas as causas da atual crise já estavam detalhadamente previstas nas atas do Copom: o sistema político e a sociedade decidiram jogar para o futuro o conserto do rombo fiscal, contando com um Deus brasileiro e um duradouro cenário externo amigável. O inverno, porém, chegou, e a cigarra vai ter de enfrentar o frio ao relento.

COLUNISTA DO BROADCAST E CONSULTOR DO IBRE/FGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.