Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

O bonde da Embrapa

Artigo de Celso Ming, A Embrapa perdeu o bonde, publicado nesta página (1/4/2012), e reportagem do Valor Econômico (Embrapa perde terreno na pesquisa agrícola, 21/3/2012) desencadearam um saudável debate sobre o papel e o futuro da Embrapa. Ming constata que a empresa vem perdendo mercado e aponta que no ramo da inovação "não basta competir" e que "ficar parado é condenar-se à insignificância".

ANTÔNIO M., BUAINAIN, É PROFESSOR DO INSTITUTO DE , ECONOMIA DA UNICAMP, ANTÔNIO M., BUAINAIN, É PROFESSOR DO INSTITUTO DE , ECONOMIA DA UNICAMP, O Estado de S.Paulo.

17 de abril de 2012 | 03h04

Penso que Ming tem razão ao apontar o risco da irrelevância, mas isso não está associado à perda de espaço nos mercados nem à falta de recursos, mas à falta de rumo. Sobre este assunto o ministro Delfim Netto (Embrapa, Folha de S.Paulo, 11/4) pôs os pontos nos is, com reconhecida contundência e autoridade, afirmando que "a Embrapa não nasceu para competir com o setor privado. Nasceu para inovar, criar e transmitir conhecimentos, usando as empresas privadas como instrumento para disseminá-los". Portanto, não se mede a importância da Embrapa pela produção de sementes, mas pela capacidade de gerar intangíveis, que são o coração da inovação hoje. E é justamente neste terreno que está o risco da irrelevância atualmente em fermentação na Embrapa..

Não é suficiente indicar o orçamento como fonte e solução de problemas cujo enfrentamento requer, antes de tudo, visão estratégica clara para orientar a aplicação dos recursos disponíveis. Vejo que a Embrapa corre o risco da irrelevância porque em muitas oportunidades parece não saber o que é relevante e estratégico e não resiste à tentação de seguir o padrão populista do setor público brasileiro, pulverizando recursos e fragmentando-se em 1.500 atividades, das quais 1.480 são provavelmente irrelevantes e subtraem energias de ações que poderiam ter grande impacto. Muitos embrapianos sustentam que o estratégico seria investir em pesquisa para a agricultura familiar (AF), ignorando todas as evidências de que esse corte não é um determinante do "pacote tecnológico" e que a Revolução Verde viabilizou a sobrevivência de milhões de pequenos agricultores. Definir prioridades com base em critérios polarizadores comumente citados (interesses do mercado e social, público e privado, agronegócio e AF, mercado doméstico e externo, etc.) falsifica a complexidade da sociedade e conduz a falsas opções.

Isso remete ao risco maior do aparelhamento ideológico, que parece comprometer a capacidade de trabalho e os resultados da Embrapa, ameaçando-a de "rachas" internos paralisantes entre os que se supõem defensores dos interesses da AF, do meio ambiente e dos pobres e aqueles que estariam comprometidos com "os interesses do agronegócio", como se fossem objetivos antagônicos. Vários bondes são perdidos nesses conflitos, alguns difíceis de recuperar, como é o caso do protagonismo na pesquisa de transgênicos.

Nunca perdi uma oportunidade para ressaltar o papel da Embrapa e citá-la como exemplo positivo de política nacional de ciência e tecnologia bem-sucedida, baseada no binômio qualificação de recursos humanos e estruturação da pesquisa vinculada à geração de conhecimento e soluções para a nossa agricultura. É preciso reconhecer que a "defesa da Embrapa" passou por campanhas de valorização institucional que exageraram sua contribuição em detrimento do reconhecimento de outras instituições públicas e da importância do setor privado para o desempenho da agricultura brasileira. Isso se transforma em risco se a própria Embrapa perde a noção de sua real capacidade e se acha capaz de prover soluções tecnológicas de A a Z, desde a produtividade na produção de alimentos, contenção do desmatamento da Floresta Amazônica, bioenergia e genética avançada, da pecuária bovina à apicultura, mitigação dos efeitos das mudanças climáticas até a sustentabilidade da agricultura familiar e a erradicação da miséria no meio rural.

Um amigo embrapiano afirma que muitos bondes estão passando e que o verdadeiro desafio da Embrapa, "urgente e necessário, é se localizar no estado atual do desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira, para saber em que bonde subir quando ele passar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.