Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

O Brasil entra em depressão

Cai por terra a narrativa do ministro Paulo Guedes de que a pandemia abateu a economia brasileira quando esta iniciava um robusto processo de crescimento

José Luis Oreiro*, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2020 | 11h34

Os números divulgados nesta terça-feira, 1º, pelo IBGE para o PIB do segundo trimestre de 2020 mostram a maior queda da série histórica iniciada desde 1996, uma retração de 9,7% com respeito ao primeiro trimestre do ano. O crescimento do primeiro trimestre foi também revisado para baixo, ao invés de uma queda de 1,5% contra o último trimestre de 2019, os dados do IBGE apontam para uma queda de 2,5%.

Considerando que as medidas de distanciamento social começaram a ser adotadas a partir de meados de março de 2020; cai definitivamente por terra a narrativa do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que a pandemia do coronavírus abateu a economia brasileira quando esta iniciava um robusto processo de crescimento. Nada mais longe da verdade: a economia estava em franco processo de desaceleração antes da chegada do coronavírus.

Dado o crescimento medíocre observado no período 2017-2019, a conclusão inescapável é que a tão agenda de reformas não tem tido sucesso no sentido de colocar o Brasil na rota do desenvolvimento econômico.

A ocorrência de dois trimestres consecutivos de queda do PIB define uma recessão técnica. Dada a magnitude da queda do PIB ocorrida nos dois primeiros trimestres de 2020 e o forte estímulo fiscal representado pelo programa de renda emergencial é provável que no terceiro trimestre do ano o PIB apresente um crescimento expressivo. Fala-se de um crescimento de cerca de 5% no terceiro trimestre e de 1,5% no último trimestre.

Mesmo que esse crescimento se materialize, a economia brasileira irá encerrar o ano de 2020 com um PIB quase 6% mais baixo do que o prevalecente no último trimestre de 2019. Nem de longe tal resultado pode ser entendido como uma recuperação em V. Em termos de PIB per capita o resultado será ainda pior: uma queda de quase 7% na comparação com o final de 2019.

Não devemos nos esquecer, contudo, que a economia brasileira, antes da pandemia, ainda não havia se recuperado dos efeitos da crise de 2014-2016. Com efeito, o PIB no final de 2019 ainda era cerca de 5% mais baixo que o do primeiro trimestre de 2014. Dessa forma, a economia brasileira fechará 2020 com um PIB cerca de 11% mais baixo que no início de 2014. Esses números mostram que a economia brasileira se encontra, na verdade, numa depressão.

*Professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília, Pesquisador Nível IB do CNPq e Lider do Grupo de Pesquisa "Macroeconomia Estruturalista do Desenvolvimento", cadastrado no CNPq. É autor do livro "Macroeconomia do Desenvolvimento: uma perspectiva Keynesiana", LTC: Rio de Janeiro (2016)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.