Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

'O Brasil merece alguém melhor', diz economista Robert Shiller

Empresários e economistas e a elite da finança internacional repercutem o discurso de Bolsonaro em Davos

Celia Froufe e Jamil Chade, enviados especiais, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2019 | 14h41

DAVOS - Uma mistura de medo, interesse e certa satisfação. Foi assim que empresários, economistas e a elite da finança internacional receberam, no Fórum Econômico Mundial, em Davos o discurso do presidente de Jair Bolsonaro – que, em menos de dez minutos, tentou convencer ao mundo de que o Brasil "mudou".

"O Brasil é um grande país. Merece alguém melhor", disse o americano Robert Shiller, prêmio Nobel de Economia. "Ele me dá medo", insistiu. Professor na Universidade de Yale, Shiller ficou conhecido por ter previsto a crise no setor imobiliário dos Estados Unidos, que desencadeou a crise global de 2008.

O americano lembrou que também ouviu um discurso moderado por parte de Donald Trump, presidente dos EUA. "Vi Viktor Orban (primeiro-ministro da Hungria) em um discurso e ele também parecia moderado e razoável", apontou. Após tecer vários comentários surpreendentes a respeito de lideranças mais à direita no mundo, incluindo Bolsonaro, ainda rindo disse: "Eu tenho de parar de falar. Não posso falar sobre o Brasil de novo".

Um banqueiro alemão, que não quis ser identificado, reclamou da falta de informações. "Ele deu manchetes. Mas nós queremos detalhes", insistiu. "Talvez não houvesse como pedir mais dele", ironizou.

O presidente da Iberdrola, José Ignacio Galán, acredita que o discurso serviu para deixar claro "o que o governo pensa". "Sinto pelos jornalistas, que não têm muitas manchetes", disse. "Ele deu uma visão bastante técnica. Também falou de como quer as contas do País estabilizadas e, acima de tudo, que quer transformar o Brasil numa das 50 melhores lugares para se fazer negócios. Isso é fundamental para atrair parceiros", afirmou.

Ricardo Marino, chairman do Itaú na América Latina, acredita que o discurso serviu para "educar" aqueles que não conhecem o Brasil. "Obviamente que o investidor quer saber de mais detalhes. Mas para quem não está educado sobre o Brasil, ele vê que um novo ciclo chegou", disse. "Foi genérico, ele leu. Mas passou a mensagem para educar a média daqueles que não sabem o que é o Brasil", apontou.

O deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) avaliou como "bom" o discurso do pai. O filho do meio do presidente Jair Bolsonaro evitou, no entanto, fazer naquele momento avaliações sobre o conteúdo e a recepção do público no evento.

"Esperem um pouco e eu falo na volta. Está cheio de ministros ali dentro. Vou alinhar o discurso primeiro e depois falo com vocês (jornalistas)", disse, ao entrar em um lugar reservado no Congresso, onde não é permitida a entrada da imprensa.

Na véspera, Eduardo havia adiantado que o discurso do presidente faria um "sobrevoo" sobre os assuntos dos vários ministérios e que a Previdência não seria abordada porque esse é um assunto que diz mais respeito aos brasileiros do que à comunidade internacional.

Para Entender

O que você precisa saber sobre o Fórum Econômico Mundial, em Davos

Encontro anual de líderes mundiais acontece na cidade suíça entre 22 e 25 de janeiro, com o objetivo de moldar a agenda futura da globalização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.