Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O Brasil no mundo

Recentemente, o Brasil ficou de fora de um acordo na Organização Mundial do Comércio (OMC) para acabar com tarifas de importação de eletrônicos, que teve adesão de 54 países. A ausência foi muito criticada por aqui. A Associação da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) se defendeu apontando problemas estruturais que tiram competitividade dos fabricantes instalados no País.

Renato Cruz, O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2015 | 03h00

São problemas sérios. De tributos altos a estrutura logística precária, passando por problemas de segurança, muitos fatores fazem com que o produto brasileiro saia mais caro. Isso prejudica o consumidor, tira competitividade da economia brasileira em geral e dificulta a exportação do setor. O iPhone e o iPad são fabricados somente na China e em Jundiaí, mas a fábrica de Jundiaí atende somente o mercado brasileiro. O Xbox é produzido na China e em Manaus.

Em Manaus, só para o mercado interno.

A Abinee destacou que as indústrias do setor empregam 150 mil pessoas, e que o Brasil é o terceiro mercado mundial de computadores e o quarto de celulares. Mas é preciso decidir qual é o lugar do País no mundo, nesse mercado de tecnologia. Com uma indústria voltada somente para o mercado interno, temos muito a perder.

A emergência da internet das coisas, em que todos os objetos passam a ter conectividade, poderia ser uma oportunidade para o Brasil. As barreiras de entrada para desenvolvimento de novos dispositivos caíram muito. Visitei há duas semanas Taiwan, e fabricantes como MediaTek e Acer oferecem kits e plataformas de desenvolvimento que reduzem o prazo necessário para que um produto chegue ao mercado.

Em Taiwan, a MediaTek, fornecedora de chips, apresentou projetos como o Alchema, um fermentador de vinhos, e o Skuromoto, um sistema de aluguel de lambretas, que foram criados por universitários taiwaneses para um concurso promovido pela empresa. É claro que depois existe todo o desafio de lançar o produto com sucesso. Mas o processo de desenvolvimento de eletrônicos está cada vez mais fácil e mais barato, com blocos de hardware e software que podem ser combinados e recombinados de acordo com a necessidade de cada aplicação.

Empresas taiwanesas consumo têm a vantagem de estar próximas aos fabricantes de componentes. O desafio da indústria brasileira, principalmente dos empreendedores, é provar que a distância não é uma barreira. Afinal, grandes empresas americanas também estão distantes de seus fornecedores, e nem por isso deixam de ter sucesso no mercado mundial.

A dificuldade por aqui são todas as barreiras estruturais. O País não embarcou no acordo com a OMC e ficou pra trás, porque não estava pronto. O mercado nascente da internet das coisas pode ser outra oportunidade perdida.

DIGITAIS

Rede

A Cionet, rede europeia de executivos de tecnologia, abriu um escritório em São Paulo. Criada há 10 anos e presente em 16 países, tem cerca de 5,4 mil inscritos. O Brasil é o segundo país da América Latina a receber um escritório, depois da Colômbia. O objetivo é permitir que executivos troquem experiências e discutam os desafios de sua área. A participação é gratuita, mas só para convidados. As atividades são financiadas por empresas, como a Intel, que fornecem informações aos executivos por meio da rede.

Competição

Começa terça-feira, em São Paulo, a 43ª edição da WorldSkills, competição internacional de educação profissional, que vai reunir 1,2 mil jovens de 62 países. O evento é organizado pela WorldSkills International e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). 

Tudo o que sabemos sobre:
Renato Cruz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.